A cirugia plástica e a descontrução da beleza 'ideal'

Escrito por Eduardo Sucupira ,
Cirurgião Plástico
Legenda: Cirurgião Plástico

A desconstrução do mito da beleza envolve desafiar os padrões de perfeição de beleza impostos pela sociedade e valorizar a diversidade de corpos, rostos e identidades. A beleza não é uma característica única e universalmente definida, mas sim subjetiva e culturalmente construída. É salutar lembrar que a cirurgia plástica é uma escolha pessoal e válida para inúmeras pessoas, como em casos de reconstrução após lesões ou por procedimentos médicos/estéticos que igualmente devem ser resultado de uma decisão responsável e bem refletida.

No passado, os pacientes procuravam os consultórios e se referiam a celebridades do mundo da televisão, da moda e do cinema para exemplificar aos cirurgiões plásticos, os seus desejos. Hoje, chegam com incontáveis referências estéticas, muitas vezes modificadas por ferramentas virtuais e com expectativas irreais à cerca do padrão de beleza perfeito. Há uma enorme dificuldade dos indivíduos se conectarem com si mesmos e aceitarem os espectros relacionados às suas próprias origens. 

O controle das expectativas irreais e o entendimento dos resultados de uma cirurgia plástica somente podem ser estimados na consulta com o médico, a partir de uma anamnese, uma avaliação física detalhada e uma abordagem transparente. O paciente também deve se sentir à vontade para tratar de aspectos subjetivos, como ansiedade, insegurança e pressão para a realização da cirurgia. A decisão por uma cirurgia plástica não deve ser baseada em padrões de beleza, e sim, para trazer satisfação pessoal com a própria aparência.

É adequado reforçar que a cirurgia plástica, como qualquer outro procedimento médico, possui riscos associados. Não há cirurgia sem riscos! Além disso, a busca pela perfeição pode conduzir a uma dependência de procedimentos estéticos prejudiciais à saúde e à autonomia do paciente.

A pressão social para a adequação a um determinado padrão de beleza também pode gerar distúrbios alimentares, como a anorexia e a bulimia com efeitos devastadores à saúde mental e física. 

A beleza é subjetiva e cada indivíduo é único. O trabalho do cirurgião deve ser o de preservar as características individuais de cada pessoa, buscando resultados naturais e harmônicos. Da mesma forma é atributo do profissional trabalhar junto ao paciente para alinhar suas expectativas em relação aos resultados e sugerir alterações com base no bom senso e responsabilidade.

A escolha de um cirurgião plástico responsável e capacitado é o primeiro passo em direção a uma intervenção bem sucedida. Procure os profissionais da sua região no site do conselho regional do seu estado e também na página do CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA (CFM). Todo especialista possui um registro de qualificação ali cadastrado. 

Em resumo, a cirurgia plástica pode ser uma opção para aqueles que desejam se submeter a mudanças em seus corpos e rostos, mas é necessário lembrar que não há uma fórmula mágica e impessoal. É essencial buscar o equilíbrio entre a saúde física e mental e a satisfação pessoal com a aparência!

Eduardo Sucupira é cirurgião plástico

Renata Fernandes é diretora da Associação Fortaleza Azul (FAZ) e mãe de autista
Renata Fernandes
02 de Março de 2024
Flaviana Lopes dos Santos é analista de ativos e configuração da Golden Cloud
Flaviana Lopes dos Santos
02 de Março de 2024
Jornalista e senador constituinte
Mauro Benevides
29 de Fevereiro de 2024
José Luiz Medrado é gestor comercial da MRV no Ceará
José Luiz Medrado
29 de Fevereiro de 2024
Robinson de Castro é presidente do Grupo Controller
Robinson de Castro
28 de Fevereiro de 2024
Alessandra Augusto é psicóloga
Alessandra Augusto
27 de Fevereiro de 2024
Jornalista. Analista Judiciário (TRT7) e Mestrando em Direito (Uni7)
Valdélio Muniz
26 de Fevereiro de 2024
Marcos Venício é gerente de marketing do Centro Fashion
Marcos Venício
25 de Fevereiro de 2024