Produção de ovos e abate de suínos e frangos batem recorde no 1º trimestre de 2021

O estado também registrou queda na produção de leite industrializado e no abate de bovinos

Escrito por Redação,

Negócios
Legenda: No Ceará, a produção de ovos e o abate de frangos apresentaram crescimento
Foto: José Leomar

Os números de suínos e frangos abatidos e a produção de ovos no Ceará bateram recorde no primeiro trimestre de 2021. Foram 44,5 mil cabeças suínas abatidas e mais de 7,4 milhões de cabeças de frango no período, conforme dados da Pesquisa Trimestral do Abate de Animais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A produção de ovos apresentou aumento de 9,4% no primeiro trimestre do ano em comparação ao mesmo período de 2021. Em números absolutos, foram mais de 56,1 milhões de dúzias de ovos produzidas no Estado. 

Considerando o abate de suínos, foi registrado um aumento de 18,3% em relação ao mesmo trimestre do ano passado, batendo o recorde da série histórica. O maior valor havia sido registrado no quarto trimestre de 2019, de 43,2 mil cabeças.  

“O dado confirma a tendência de crescimento do número de suínos abatidos no Estado, sendo o trimestre com o maior número de cabeças abatidas desde o início da série histórica em 1997”, informa o IBGE.  

Já para os frangos, a pesquisa revelou um aumento em relação ao mesmo período de 2020 de 6,5% e ao quarto trimestre de 2020 o aumento foi de 2,7%. 

Maior produção de ovos do Nordeste 

Comparando o resultado deste ano com o 4º trimestre de 2020, o aumento da produção foi de 2%. Os dados são da Pesquisa de Produção de Ovos de Galinha do IBGE. 

Com o resultado, a pesquisa revelou ainda que essa foi a maior produção do alimento desde o início da série histórica iniciada em 1987 no Ceará. O recorde anterior havia sido do 4º trimestre de 2020, quando foram registradas a produção de 55 milhões de dúzias de ovos. 

Além do recorde, o Ceará registrou a maior produção do Nordeste. Em seguida vem Pernambuco, com cerca de 55,6 dúzias, e Bahia, com 18 milhões. O estado também lidera no abate de bovinos com 5,1 mil cabeças abatidas que a Bahia, segundo colocado.

Na contramão dessa tendência, o abate de frangos e suínos apresentaram crescimento e bateram recorde nesse trimestre

Abate bovino e produção de leite em queda

Legenda: Ao todo, foram abatidas 25,6 mil cabeças no estado, o menor número em 10 anos
Foto: CNA/Wenderson Araujo/Trilux

Na contramão dessa tendência, o abate de bovinos apresentou queda nesse período e caiu 18,6% em relação ao mesmo período do ano passado. Ao todo, foram abatidas 25,6 mil cabeças sob algum tipo de inspeção sanitária federal, estadual ou municipal. Menor número em 10 anos.  

De acordo com dados da pesquisa, o número também é menor que o registrado no quarto trimestre de 2020 (queda de 17,9%): 31,2 mil cabeças bovinas.  

Desde 2011, o índice está em tendência de queda e, considerando a série histórica da pesquisa dos primeiros trimestres de cada ano, os valores registrados em 2021 são os menores.  

Produção de leite registra queda  

A produção de leite, após alta histórica em 2020, teve queda de cerca de 7%, quando foram adquiridos 80,4 milhões de litros de leite cru. Em 2020, o Ceará terminou o ano com 86,5 milhões de litros adquiridos.  

Segundo a Pesquisa Trimestral do Leite, se comparado com os primeiros trimestres dos últimos 10 anos, percebe-se que a aquisição de leite cru neste ano seguiu em patamares superiores aos anos anteriores, figurando na 2ª colocação.  

Assuntos Relacionados