Fortaleza vacinou 98,43% dos profissionais da educação cadastrados no Saúde Digital

Segundo a Prefeitura, o restante dessas pessoas entra automaticamente no agendamento por faixa etária. Não haverá repescagem

Foram vacinados 10,7 mil profissionais da educação superior e 40,1 mil profissionais da educação básica.
Legenda: Foram vacinados 10,7 mil profissionais da educação superior e 40,1 mil profissionais da educação básica.
Foto: Thiago Gadelha

Em Fortaleza, até a última segunda-feira (7), 50.118 profissionais da educação foram vacinados contra a Covid-19. O número consta no IntegraSUS e representa 98,43% do total de cadastros deste grupo na plataforma Saúde Digital (50.914).

Contudo, segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), não haverá repescagem dos 796 profissionais restantes dessa lista. A Prefeitura informou que quem não se vacinou como prioridade entra automaticamente no agendamento por faixa etária e deve aguardar chamada.

Os dados do IntegraSUS dão conta de que, dos 50,1 mil profissionais da educação vacinados na Capital, 10,7 mil foram da educação superior e 40,1 mil da educação básica.

A professora de história Juliete Castro Oliveira, 35, que trabalha nas redes pública e privada de ensino, foi uma das contempladas com a primeira dose do imunizante contra a infecção. Ela foi vacinada na última quarta-feira, 2, num posto de saúde do bairro Siqueira.

“Chorei um choro que não conseguia explicar. Chorava que soluçava, numa mistura de emoções: alegria, alívio, tristeza. E por quantas pessoas poderiam ter sido salvas se tivessem tido aquela mesma oportunidade que eu”, relata a educadora.

Juliete nunca teve Covid-19, mas temia contrair a doença por estar trabalhando de forma presencial numa escola pública, onde atua como coordenadora.

A gente tem que entender que a vacinação é um ato de aceitar a vida, a ciência, o futuro que ainda existe. Um sinal de esperança de que os tempos podem mudar. Nós, professores, em nenhum momento nos negamos a voltar pro presencial, tanto que eu estou, mas a gente queria o mínimo de segurança pra estar em uma sala de aula”
Juliete Castro Oliveira, 35
Professora e coordenadora escolar

Além disso, ela disse que a vacinação é, também, “um ato de amor à minha vida e à da minha família, do próximo e dos alunos que daqui a pouco vou ter contato e que infelizmente ainda não têm idade pra se vacinar”. 

O professor da rede privada Talisson Mota, 26, que, como Juliete, também não foi infectado pelo coronavírus, foi vacinado na quinta-feira, 3, no Cuca do Mondubim. “Foi bem rápido e organizado”, relatou. Além disso, apesar da polêmica sobre a exigência de assinatura de termo de comprometimento de retorno às aulas presenciais, ele disse ter se sentido aliviado pela priorização da sua categoria profissional

“São momentos de tensão e de ansiedade. E estar incluído dentre os contemplados com a vacina nos dá uma grande esperança em dias melhores. Já estamos sofrendo há muito tempo. ‘Pequenos’ momentos como esse devem ser valorizados”, defende o educador, que já está trabalhando presencialmente.

Porém, ele diz, “conheço alguns [outros profissionais da educação] que tiveram problemas com documentação, burocracias em geral, e não foram contemplados na lista”.

Vacinação geral

Fortaleza deu início à vacinação por faixa etária no último domingo (6). Junto à Capital, outros municípios cearenses também avançaram no processo.

Segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), considerando o número de cadastros até hoje no Saúde Digital de pessoas com idade entre 18 e 59 anos, além das negociações para compra direta de vacinas e o envio regular por parte do Governo Federal, a previsão é vacinar toda essa população, com primeira dose, até o fim do mês de agosto.

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza