'Máquina do tempo': professor de Fortaleza entrega cartas de ex-alunos escritas há duas décadas

Projeto reuniu 1.200 cartas, entre os anos 2000 e 2014; o 'teletransporte' ocorreu no último sábado (4)

Professor ao lado das caixas de isopor
Legenda: Professor Antero reuniu cerca de 1.200 cartas e as entregou mais de duas décadas depois
Foto: Divulgação / Colégio Joviniano Barreto

Os sonhos da adolescência voltaram numa carta, com recortes, fotografias e outros pedaços de um tempo em que tudo parecia ser possível. Após duas décadas, 500 de 1.200 missivas guardadas pelo professor Antero Macedo, 65, numa cápsula feita de caixas de isopor, foram entregues no último sábado (4), em Fortaleza.

O projeto ocorreu entre 2000 e 2014, com os estudantes escrevendo desejos e ideias. Dentre as cartas, está a da produtora e fotógrafa Lorena Brunet, hoje com 25 anos.

Lorena sorri enquanto segura a carta
Legenda: Lorena recebeu a carta da "máquina do tempo" no sábado
Foto: Arquivo pessoal

Ela reencontrou uma lista de filmes a serem vistos — que agora tenta atualizar —, colagens com sua foto e a boneca "Bratz" e um pôster dos "Rebeldes". Dos cinco sonhos listados aos 13 anos, afirmou, dois viraram realidade: ter um irmão e ser feliz

Objetos em uma mesa
Legenda: Itens deixados na carta
Foto: Arquivo Pessoal

Já a casa que ela idealizava comprar sempre que passava pela avenida Rui Barbosa virou estacionamento. Não deu tempo. Também não se tornou a "médica famosa" que havia projetado, mas a carta mostra que, na verdade, havia outras habilidades a serem exploradas. 

Foto da carta dela
Legenda: Lista de sonhos da Lorena, feita há uma década
Foto: Arquivo Pessoal

“Hoje, trabalho com parte criativa. Ao rever tudo, percebi o quanto já era criativa. Coloquei de tudo lá dentro: desde pedaços de coisas que usava na época, embalagens de perfume e caixinha de um lanche do colégio”, riu-se.

“Eu tinha medo de decepcionar a Lorena de antes. No entanto, percebi o quanto sou parecida com aquela menina, mas com muitas outras experiências e maturidade. Por mais que os sonhos não batam, fiquei orgulhosa pelo que me tornei”, avaliou. 

Projeto
 

Professor de História e Geografia, Antero Macedo batizou o projeto pedagógico de “Máquina do tempo”. Ele o desenvolveu em quatro escolas:

  • Colégio Arminda de Araújo
  • Colégio Christus
  • Colégio Joviniano Barreto
  • Escola de Ensino Fundamental e Médio (EEFM) Paulo Ayrton de Araújo

Antero lembra que viu um professor universitário fazendo o projeto e decidiu reproduzi-lo. 

“Como eu não gosto de ficar na ‘caixinha’, busquei trazer meus alunos para a sala de aula de outra forma”, explicou.

Na época, os estudantes tinham entre 13 e 16 anos. “Eu chegava na sala de aula e perguntava se eles acreditavam na viagem da máquina do tempo. Começava, então, o debate", relembrou.

"Depois, eu falava: 'e se eu dissesse que posso levar vocês para viajarem nela?' Aí eles se encantavam, eu explicava e fazia a proposta para eles escreverem sobre seus sonhos, que eu entregaria a carta anos depois”, completou.

Após pouco mais de duas décadas, com a ajuda do Colégio Joviniano Barreto, a entrega ocorreu no último sábado, na praça de alimentação de um shopping, cumprindo todos os protocolos sanitários.

O evento estava previsto para 2020, mas foi adiado em razão da pandemia de Covid-19.

 

Novas entregas
 

Momento da entrega
Legenda: A entrega das cartas ocorreu das 11h às 19 horas de sábado
Foto: Arquivo Pessoal

Ao longo dessas décadas, foram guardados cerca de 1.200 envelopes. Destes, 500 foram entregues no último sábado e 200 foram perdidos durante uma mudança e danificados. Ainda há, aproximadamente, 500 a serem entregues. 

"Eu colocava as cartas em sacos plásticos, uma pasta também de plástico e uma caixa de isopor, mas, infelizmente, tive perdas em uma mudança e algumas molharam. Calculo ter perdido umas 200 cartas dos meus meninos e meninas", relembra. 

O professor pretende organizar novos encontros para entrega das demais até o fim julho de 2022. Depois disso, afirmou, queimará as cartas para que não parem nas mãos de outras pessoas. A divulgação ocorrerá através das redes sociais e grupos de ex-alunos, no aplicativo WhatsApp. 

Instituições devem dar continuidade ao projeto
 

A "Máquina do tempo" seguiu de forma intercalada até 2014. Atualmente, não é mais realizada somente pelo professor. Algumas escolas em que ele atua devem adotá-la, mas as cartas ficarão sob os cuidados das próprias instituições.

Ao longo dos anos, os alunos começaram a entregar missivas fora do projeto e pedir pela continuidade dele.  

“Eles me procuraram para participar. Aí criei uma pasta chamada 'cartas avulsas', que guardava aquelas que não tinham sido feitas em sala de aula”, disse o professor. 

Os anos de prática foram: 

  • 2000
  • 2001
  • 2004
  • 2005
  • 2012
  • 2013
  • 2014

 

O reencontro com o passado
 

O professor conta que o projeto trouxe, também, um reencontro entre alunos e familiares.

"Os alunos podiam colocar, na máquina do tempo, cartas dos pais e familiares. Houve pais e avós que faleceram. Teve uma aluna que perdeu o pai para a Covid-19, no ano passado, e havia colocado a foto dele", lamentou.

“Infelizmente, ocorreram coisas tristes nesse tempo, mas a ação foi muito gratificante. Também teve muita alegria, gente que não se via há muito tempo e estava lá marcando novos encontros", observou. 

Para Lorena, citada no início desta reportagem, o projeto é "uma experiência que todos deveriam vivenciar".

"Na época, eu achava incrível, mas que não tinha chance de dar certo. Ficava pensando que não ia conseguir encontrar as pessoas, mas a tecnologia foi aprimorando e foi possível", relembrou. "Foi muito emocionante, também, rever o professor Antero, que foi muito importante para mim', completa. 

 
 

Telegram


Antes de ir, que tal se atualizar com as notícias mais importantes do dia? Acesse o Telegram do DN e acompanhe o que está acontecendo no Brasil e no mundo com apenas um clique: https://t.me/diario_do_nordeste

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab