Suspeito de chacina na Ceilândia teria matado caseiro quatro dias antes

Lázaro Barbosa é investigado pela Polícia Civil como o autor do assassinato que aconteceu em Cocalzinho de Goiás

Lázaro Barbosa
Legenda: O homem tem uma extensa ficha criminal com passagens na Bahia, Distrito Federal e Goiás
Foto: reprodução

O foragido Lázaro Barbosa Sousa, 32 anos, é apontado como suspeito de ter cometido mais um assassinato em Goiás, quatro dias antes da chacina em Ceilândia. Segundo o boletim de ocorrência, ele teria matado um caseiro de uma fazenda localizada no distrito de Girassol, em Cocalzinho de Goiás. As informações são G1.

O homicídio aconteceu em 5 de junho, e, conforme o delegado Rafhael Barboza, um homem usando roupas pretas e colete a prova de balas, além de estar encapuzado, entrou na propriedade atirando e não levou nenhum pertence da vítima.  

“Já chegou atirando. O rapaz foi alvejado e, nisso, o pessoal que estava em outra casa foi em direção ao local do ocorrido e ele empreendeu fuga. A princípio, não levou nada, mas houve o homicídio”, disse ao portal de notícias.

O boletim da Polícia Civil ainda informa que o suspeito invadiu a residência pela cozinha e que a vítima se assustou ao vê-lo. Ao questionar o que estava acontecendo ela foi alvejada pelos disparos.  

O delegado informou que um inquérito está em aberto para apurar o crime. A identidade do caseiro não foi divulgada.  

Lázaro Barbosa é suspeito de assassinar uma família em Ceilândia, no Entorno do Distrito Federal, e fugir para a região de Cocalzinho de Goiás, tem uma extensa ficha criminal com passagens na Bahia, Distrito Federal e Goiás. 

DELITOS 

Lázaro está foragido desde o último dia 9 de junho, quando virou suspeito de matar uma família em Ceilândia, no Distrito Federal. O homem de 32 anos tem antecedentes criminais por homicídio, estupro e três fugas de penitenciárias.   

O histórico do homem apontado como "psicopata imprevisível" foi divulgado pelas secretarias da Segurança Pública do DF, Goiás e da Bahia.   

Após as mortes dos empresários e de dois filhos do casal, Lázaro percorreu as imediações da chácara e tornou a fazer novas vítimas. O suspeito rendeu o caseiro de uma fazenda, obrigou uma mulher a fazer o almoço para ele e outras duas pessoas a usarem maconha, atirou contra outras quatro vítimas e ateou fogo em um veículo.  

Na terça-feira (15), Edenaldo Barbosa Magalhães, 57 anos, pai do foragido, chegou a classificar o filho como um "monstro" e disse que torce para que ele seja capturado por medo de algo aconteça com os familiares.  

"Esse monstro, eu registrei, mas, quando as pessoas falam 'o seu filho', aquilo me estremece todo. Não dá vontade nem de ficar mais na Terra. Eu estou arrasado. Se eu vê-lo por aí, eu nem conheço mais", disse. 

Já a atual companheira de Lázaro, de 19 anos, revelou estar assustada com os múltiplos delitos e tem receio pela vida do foragido.   

"Temos medo de receber a notícia de que ele morreu. Espero que ele se entregue", disse a jovem, que pediu para não ser identificada, em entrevista ao Correio Braziliense.  

A mulher é mãe de uma menina de dois anos que teve com Lázaro, a quem a bebê "quase todos os dias chama por ele", lamentou. "Isso me corta tanto. Ela é muito apegada. É a vida dele. Está todo mundo arrasado". 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil