'Machucaram minha mãe', diz filha de mulher que morreu após sessão de hidrolipo

Maria Jandimar Rodrigues, de 39 anos, foi sepultada neste domingo (19)

Maria Jandimar Rodrigues, que morreu durante sessão de hidrolipo
Legenda: Maria Jandimar Rodrigues, de 39 anos, que morreu após fazer uma hidrolipo, foi sepultada neste domingo (19)
Foto: Reprodução TV Globo

Sentimentos de emoção e dor entre familiares e amigos marcaram o sepultamento de Maria Jandimar Rodrigues, de 39 anos, neste domingo (19). A diarista morreu na última sexta-feira (17), após realizar uma sessão de Hidrolipo em uma clínica de estética no centro comercial do Carioca Shopping, na Zona Norte do Rio.

Segundo informações do jornal O Globo, Brenda Rodrigues, filha de Maria Jandimar, repetia o tempo todo: "Machucaram minha mãe”, bastante emocionada. “Mãe, eu fui te buscar. Estava lá te esperando”, dizia a jovem durante o velório.

Maria Jandimar passou mal no estacionamento do shopping e morreu ainda no local, após fazer a segunda sessão do procedimento. A filha dela a aguardava e chegou a filmar o socorro sem saber que se tratava da mãe. 

Wagner de Carvalho, viúvo de Maria Jandimar, chamou de covardia e incompetência a atitude do médico Brad Alberto Castrillon Sanmiguel, que chegou a negar para Brenda ser médico, se dizendo funcionário do shopping.

A clínica onde o procedimento foi feito foi interditada. A família agora busca por justiça. "Ela vinha juntando esse dinheiro (para fazer o procedimento estético). Acabou que ela juntou e deu nisso, mais um óbito por incompetência do médico. A única coisa que nós queremos agora é justiça", diz Wagner.

Depoimento

Ele disse, ainda, que o único depoimento colhido para o registro da ocorrência até o momento foi o de um policial militar, e deve ser ouvido pela primeira vez nesta terça-feira (21).

Segundo Cristiano Vieira, advogado da família, a expectativa é que o caso saia da 27ª DP e seja investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital. Na 27ª DP, o caso foi registrado como “encontro de cadáver”.

"Após a mídia começar a veicular o caso que a delegacia procedeu com a interdição da clínica, 24 horas depois. A grande preocupação da família é essa: nós não sabemos o que foi alterado na cena do crime. Acreditamos se tratar de um crime de homicídio", disse.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil