Forças Armadas encomendam mais de 35 mil comprimidos de Viagra, diz jornal

Maioria das unidades seria destinada à Marinha do Brasil

Pílula de Viagra
Legenda: Marinha declarou que medicamentos serão utilizados para o tratamento de pacientes com síndrome arterial.
Foto: Shutterstock

As Forças Armadas aprovaram a compra de mais de 35 mil unidades de Viagra, medicamento que costuma ser usado para tratar disfunção erétil. A informação é da colunista Bela Megale, do jornal O Globo.

Oito pregões foram realizados por unidades ligadas aos comandos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, segundo dados do Portal da Transparência e do Painel de Preços do governo federal obtidos pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO).

Os processos de compra foram homologados em 2020 e 2021 e permanecem válidos em 2022. Eles descrevem o medicamento pelo nome do princípio ativo, Sildenafila, nas dosagens de 25 mg e 50 mg. 

Confira a quantidade de comprimidos por órgão:

  • Marinha: 28.320
  • Exército: 5 mil 
  • Aeronáutica: 2 mil

Destino dos medicamentos

O deputado Elias Vaz enviou um requerimento ao Ministério da Defesa solicitando explicações sobre os processos de compra do medicamento.

Segundo a colunista, a Marinha e a Aeronáutica declararam que as licitações se destinam ao tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP), "uma síndrome clínica e hemodinâmica que resulta no aumento da resistência vascular na pequena circulação, elevando os níveis de pressão na circulação pulmonar”.

A Marinha disse que a síndrome “pode ocorrer associada a uma variedade de condições clínicas subjacentes ou a uma doença que afete exclusivamente a circulação pulmonar”, e ainda que se trata de uma “doença grave e progressiva que pode levar à morte”. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil