Conselho de Ética da Câmara do Rio vota a favor da cassação do mandato de Dr. Jairinho

Vereadores votarão em plenário na quarta-feira (30)

Jairo Souza Santos Júnior
Legenda: Jairinho será afastado se dois terços dos vereadores (34) votarem a favor em sessão aberta no plenário
Foto: Divulgação Câmara Municipal do Rio de Janeiro

O relatório que pede a cassação do mandato de Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho (sem partido), foi aprovado pelo Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nesta segunda-feira (28).

Ele será afastado se 34 vereadores, o equivalente a dois terços, votarem a favor em sessão aberta no plenário, prevista para ocorrer na próxima quarta-feira (30). 

Jairinho está preso desde o dia 8 de abril, acusado de ter matado em março o enteado Henry Borel, 4. A namorada do vereador e mãe do garoto, Monique Medeiros, também foi detida. Ambos tornaram-se réus no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro pela morte do menino.

O relatório foi aprovado pelos sete integrantes do conselho, os vereadores Alexandre Isquierdo (DEM), Rosa Fernandes (PSC), Dr. Rogério Amorim (PSL), Chico Alencar (PSOL), Zico (Republicanos), Teresa Bergher (Cidadania) e Luiz Ramos Filho (PMN).

Integrantes do Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Legenda: O relatório foi aprovado pelos sete integrantes do Conselho de Ética da Câmara Municipal do Rio de Janeiro
Foto: André Coelho/CMRJ

Defesa terá duas horas

Na sessão de deliberação da perda do mandato, poderão falar os parlamentares e a defesa de Dr. Jairinho. O presidente do Conselho de Ética, Alexandre Isquierdo, afirmou que os advogados terão um intervalo de duas horas para concluir a defesa do vereador.

Conforme o vereador Chico Alencar, tudo foi feito "dentro dos prazos, sem celeridade que atropele o direito de defesa, mas com o sentido de urgência", disse.

O relatório do vereador Luiz Ramos Filho, favorável à cassação do mandato de Dr. Jairinho, havia sido apresentado no dia 18 de junho. O documento tem como base o inquérito policial sobre a morte de Henry e o depoimento do executivo da rede D'or, Pablo Menezes, que teria recebido pedidos de Jairinho para que o corpo da criança fosse liberado sem ser encaminhado para autópsia no Instituto Médico Legal (IML).

"A ligação do Dr. Jairinho para o executivo do hospital para evitar que o corpo do menino Henry fosse periciado pelo IML caracteriza quebra de decoro a ser punido com a perda do mandato", apontou Ramos Filho.

Vereador desde 2005, quando tinha 27 anos, Jairinho está em seu quinto mandato, após ter sido reeleito no ano passado com 16 mil votos.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil