Bento XVI é acusado de não agir após saber de casos de pedofilia em igrejas na Alemanha

Casos ocorreram em arquidioceses lideradas por ele antes de virar pontífice. Padres seguiram na igreja

O papa emérito Bento XVI sabia que padres abusaram de crianças, segundo investigação divulgada nesta quinta (20). O relatório da apuração aponta que Bento, então cardeal, não fez nada para afastar os suspeitos dos crimes, ocorridos nas arquidioceses de Munique e Freising, na Alemanha, lideradas por ele entre 1977 e 1982. Dois dos padres tiveram agressões comprovadas em tribunais e permaneceram na Igreja.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo