Índia bate novo recorde mundial de casos de Covid-19 e ultrapassa marca de 200 mil mortes

País indiano agora é o quarto com mais óbitos no mundo, atrás de Estados Unidos, Brasil e México

Duas pessoas durante cremação de mortos por Covid-19 na Índia
Legenda: Explosão de casos no país indiano tem acarretado aumento no número de cremações.
Foto: Sanjay Kanojia/AFP

A Índia bateu, nesta quarta-feira (28), um novo recorde mundial de novos casos de Covid-19 e ultrapassou a marca de 200 mil mortos pela doença, causada pelo novo coronavírus. Agora, o país é o quarto com mais óbitos no mundo, atrás de Estados Unidos, Brasil e México.

Em apenas um dia, foram registrados 360.927 novos contágios no país indiano, que teve 3.293 mortes nas últimas 24 horas. É a primeira vez que a Índia, com 1,3 bilhão de habitantes, passa dos 3 mil óbitos em um dia.

O país, segundo mais populoso do planeta depois da China, autorizou, no dia 13 de abril, o uso da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19. O imunizante é o terceiro aprovado na Índia, depois das vacinas AstraZeneca/Oxford e Covaxin, de produção nacional.

A explosão de casos, contudo é atribuída tanto à variante local do coronavírus, já detectada em pelo menos 17 outras nações, e às grandes manifestações políticas e religiosas das últimas semanas.

Situação da Covid-19 na Índia

A situação é crítica, e os crematórios trabalham sem pausa: as chaminés racham e as estruturas de metal das fornalhas têm derretido com o calor. Em alguns estabelecimentos, a lenha chegou a acabar — as famílias precisam fornecer combustível.

Sanjay, sacerdote local, pontuou o trabalho excessivo: "Começamos com o nascer do sol e as cremações continuam até depois da meia-noite".

A comunidade internacional se mobilizou para ajudar a Índia. O primeiro carregamento de ajuda médica britânica, com 100 respiradores e 95 concentradores de oxigênio, chegou na terça-feira a Nova Délhi. França, Canadá e Estados Unidos, entre outros, também anunciaram ajuda.

Variante indiana do coronavírus

A variante indiana provoca muitas perguntas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que não sabe ainda se o maior índice de mortalidade se deve a uma variante mais agressiva, à situação do sistema de saúde indiano devido ao aumento de registros ou às duas questões.

A nova cepa, conhecida cientificamente como B.1.617, foi detectada em mais de 1,2 mil sequências de genoma em "pelo menos 17 países", anunciou a OMS, acrescentando que a variante "tem uma taxa de crescimento mais elevada do que outras variantes que circulam na Índia, sugerindo que é mais contagiosa".

A entidade citou como exemplos de países atingidos Reino Unido, Estados Unidos e Singapura. Bélgica, Suíça, Grécia e Itália também anunciaram presença do vírus nos últimos dias

Apesar da continuidade dos testes, o fundador e diretor do laboratório BioNTech, Ugur Sahin, declarou, nesta quarta-feira (28), que confia na eficácia da vacina desenvolvida em parceria com a Pfizer contra essa variante.

Medidas contra variante indiana

Com intuito de evitar a propagação, vários países suspenderam ou limitaram conexões aéreas com a Índia, como Austrália, Canadá, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Nova Zelândia.

A Bélgica anunciou o fechamento de suas fronteiras com a Índia, mas também com Brasil e África do Sul, que também registraram outras variantes do vírus. Já Espanha ampliou a quarentena obrigatória — em vigor para passageiros procedentes do Brasil — a viajantes que chegam da Índia.

A presença do vírus preocupa a Europa, uma vez que vários países europeus começaram a flexibilizar medidas restritivas contra o vírus. A Holanda, pro exemplo, suspende, nesta quarta-feira, o toque de recolher.

Já nos Estados Unidos, na América do Norte, os cidadãos vacinados não precisarão mais usar máscara ao ar livre, exceto em casos onde existam aglomerações.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo