Estudante de medicina e enfermeiro são presos em operação contra falsos médicos no Ceará

Segundo a Polícia Civil, estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e outros quatro de prisão

Legenda: O diretor clínico da Unidade Municipal de Pronto Atendimento (UMPA) de Baturité foi procurado para ser notificado sobre a decisão judicial que o afasta de suas funções, mas não foi localizado
Foto: Divulgação/Polícia Civil

Um estudante de medicina e um enfermeiro foram presos durante uma operação da Polícia Civil suspeitos de atuar de forma ilegal em hospitais no Maciço de Baturité, na manhã desta sexta-feira (10). Segundo a polícia, estão sendo cumpridos quatro mandados de busca e apreensão e quatro de prisão. 

Os suspeitos, segundo a investigação, participavam de um esquema criminoso e atuavam em hospitais da região do Maciço de Baturité. O enfermeiro, de 34 anos, foi preso na cidade de Paraipaba, e o universitário, de 20 anos, foi detido em Sobral. A operação continua em andamento, conforme a Polícia Civil.

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Alto Santo, Fortaleza, Paraipaba e Tabuleiro do Norte. Vinte agentes estão participando da operação, intitulada como "Filhos de Hipócrates". 

Prisões

Os alvos investigados são um acadêmico do 3º semestre de medicina, um enfermeiro e duas pessoas formadas em medicina no exterior, porém sem revalidação do diploma no Brasil, o que os impedem do exercício legal da profissão. As investigações apontam que o grupo atuou como equipe médica em plantões na Unidade Municipal de Pronto Atendimento (UMPA) de Baturité no período de 2017 a 2019. 

De acordo com o delegado Joel Morais, titular da delegacia Regional de Baturité e responsável pelas investigações, as apurações tiveram início em novembro do ano passado após um outro homem, que não é alvo da ação policial realizada nesta sexta-feira (10), ser  flagrado por acadêmicos de medicina tirando plantão em um hospital do município de Mulungu, cidade próxima à Baturité. Após ser acionada, a Polícia Civil iniciou as investigações e identificou parte dos envolvidos no esquema criminoso.

Um médico que já havia sido preso no dia 11 de dezembro de 2019, teve a prisão prorrogada nesta quinta-feira (9) por causa das investigações relacionadas à operação deflagrada nesta sexta-feira.  

Exista uma investigação em andamento acerca da morte de um idoso que foi atendido por um médico credenciado, mas o profissional abandonou o plantão em que estava e deixou outra pessoa não habilitada em seu lugar.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança

Assuntos Relacionados