Esposa de motorista de app desaparecido em Fortaleza acredita que marido tenha sido raptado

O sumiço de Alexandre Fernandes, de 32 anos, foi constatado no início da noite de segunda-feira (10)

Bianca Fonseca
Legenda: Bianca Fonseca relata que a primeira medida de segurança instalada no veículo de trabalho do marido, comprado há cerca de oito meses, foi um rastreador

Dois dias após o desaparecimento do motorista por aplicativo Alexandre Fernandes, 32, a esposa do profissional relata a angústia de não ter respostas. "Está sendo muito difícil. Não temos pista de nada". Apesar da dor, Bianca Fonseca levanta algumas hipóteses para o sumiço. Ela acredita que o esposo tenha sido raptado e sofrido um assalto.

Bianca relata que a primeira medida de segurança instalada no veículo de trabalho do marido, comprado há cerca de oito meses, foi um rastreador. Tal equipamento foi o responsável por localizar o paradeiro do veículo após a mulher perder o contato com o marido, que estava fazendo uma corrida para o bairro Messejana antes de se encontrar com ela.

"Ele me mandou, como de costume, informações sobre o trajeto que iria fazer e disse que chegaria em casa em 20 minutos para a gente sair para jantar. Após uma hora, contudo, mandei mensagem, liguei para ele e não obtive nenhuma resposta. Foi aí que passei a ver a localização do veículo", conta Bianca.

Bianca percebeu, então, que o GPS informava que Alexandre estava em um trecho da BR-116, logo depois de Itaitinga, na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), a quilômetros de distância do bairro onde seria o destino da última corrida dele. Ela acredita que, nesse momento, o marido já estava nas mãos de criminosos. 

"Achei que ele tivesse pego outra corrida, porque esses trajetos longos são bons para ele. Percebi, pelo rastreador, que ele estava próximo ao Bairro José Walter, porém fez um retorno e parou na Rodovia Quarto Anel Viário, onde permaneceu", conta Bianca.

Ao notar  que o carro do marido estava parado há dez minutos, Bianca telefonou para o seu irmão. Após algum tempo, ela informou que o rastreador sinalizou estar sem energia, na Rodovia Quarto Anel Viário. Ela acredita que, nesse momento, os criminosos tenham desativado o equipamento. Logo após, a Polícia foi acionada. 

Após realizarem buscas com o irmão de Bianca ainda naquela noite, a mulher disse que a Polícia não encontrou o carro nem Alexandre. Já pela manhã de terça-feira (11), uma equipe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi à região, e realizou buscas ao redor de um galpão localizado próximo ao local onde o motorista desapareceu. 


Tática de crime semelhante

Em busca de respostas, Bianca fez uma publicação no grupo de uma rede social. Lá, ela informou sobre o desaparecimento do marido e as circunstâncias do sumiço do motorista. De acordo com ela, alguns usuários entraram em contato e informaram ter passado por situação de assalto semelhante.

De acordo com Bianca, os motoristas de aplicativo relataram que, ao aceitarem uma corrida, pelo mesmo aplicativo utilizado por Alexandre, criminosos mantinham as vítimas refém até encontrarem o rastreador do veículo. Após identificarem o equipamento no Quarto Anel Viário, os suspeitos abandonavam os motoristas em pontos diferentes.

Bianca informou que algumas vítimas chegavam a entrar em contato com a família após uma hora do crime. De acordo com ela, um deles chegou a ser amarrado próximo ao local onde foi abandonado. No caso do desaparecimento de Alexandre, contudo, ela está sem notícias há mais de um dia. O desespero a acompanha.

"Está sendo muito difícil. A gente não tem rastro, não temos pista de nada. Então, não sabemos onde procurar. Em contrapartida, tem gente que liga dizendo que está com ele, passando trote, dizendo que quer tanto pela cabeça, pelo carro, só atrapalhando as nossas buscas", desabafou Bianca.


Mutirão

Bianca planeja realizar um mutirão de buscas para encontrar o marido. Ela, que espera contar com o apoio da Polícia Militar do Ceará (PMCE), pretende procurar Alexandre no local indicado pelo rastreador de veículo. Segundo a esposa da vítima, família e amigos deverão participar da ação.

Enquanto isso, Bianca faz questão de salientar a bondade do marido. Com um desaparecimento que ela acredita não ter sentido, sobra espaço para relembrar Alexandre. 

"Ele é muita extrovertido, família. Tudo que ele pensa é em conjunto, é muito alegre. Ele não tinha inimizade com ninguém, não era envolvido com nada errado, se dava bem com todo mundo. Não tem nada que explique isso, a não ser estar no lugar errado, na hora errada, e ser o escolhido para ser a próxima vítima", relata Bianca.


Investigações

A DHPP é responsável pelas investigações do caso. Todo o percurso por onde o veículo de Alexandre passou ficou registrado no rastreador e as informações foram repassadas para o departamento, que é da Polícia Civil do Estado do Ceará (PCCE).

Além do percurso registrado, Bianca teve acesso ao perfil do usuário que solicitou a última corrida para Alexandre naquela noite. De acordo com ela, a identidade de um homem aparece nos dados. Contudo ela não tem certeza da veracidade das informações, já que podem ser falsas.

Sobre o caso, a Polícia Civil informou que a população pode contribuir ao repassar informações para auxiliar nas investigações. Os registros podem ser feitos pelo número 181, o Disque-Denúncia da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), ou para o ‪‪(85) 99719-9678, da 12ª Delegacia do DHPP. Estão garantidos o sigilo e o anonimato dos denunciantes.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?