Bilhete encontrado em prisão aponta que líderes do PCC foram mortos pela própria facção

As mortes de 'Gegê do Mangue' e 'Paca' teriam sido ordenadas por um braço direito do chefe da facção, 'Marcola'

Escrito por Redação,

Segurança

Um bilhete encontrado no presídio onde está a 'Sintonia Final Geral', a alta cúpula da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC), reforça que Rogério Geremias de Simone, o 'Gegê do Mangue', 41, e Fabiano Alves de Souza, o 'Paca', 38, foram assassinados no Ceará a mando da própria organização.

> Chefe do PCC citado em bilhete é executado a tiros em frente a hotel

>  Helicóptero com cúpula do PCC decolou da Praia do Futuro

>  Cúpula do PCC gastou R$ 8,5 milhões em carros e imóveis ao chegar no Ceará

>  Efeito dominó: outro 'figurão' do PCC que estava no CE é preso

>  Líderes do PCC moravam há um ano em condomínio de luxo no Ceará

> Atentado cinematográfico: o que a cúpula do PCC fazia no Ceará?

A apreensão do bilhete foi confirmada pelo promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público de São Paulo (MPSP), Lincoln Gakiya. "Foi apreendido um bilhete na Penitenciária 2 de Presidente Venceslau, no domingo (18) de visita, que dá a entender que o assassinato foi a mando do PCC. Quem teve acesso a esse documento foi a Secretaria da Segurança Pública do Ceará", afirmou.

O bilhete foi trocado entre membros do PCC. No escrito, um detento contava: "Ontem fomos chamados em uma ideias, onde nosso irmão Cabelo Duro nos deixou ciente que o Fuminho mandou matar o GG e o Paka. Inclusive o irmão 'Cabelo Duro' e mais alguns irmãos são prova que os irmãos estavam roubando (sic)".

'Fuminho', a que o bilhete se refere, é o apelido do traficante Gilberto Aparecido dos Santos, braço direito do chefe do PCC, Marco Willians Herbas Camacho, o 'Marcola', e que atua como um "gerente" da facção.