Após nova mudança na presidência nacional, Pros volta a apoiar Capitão Wagner no Ceará

A legenda tem passado por briga jurídica pelo comando da Executiva nacional

Escrito por Luana Barros, luana.barros@svm.com.br

PontoPoder
Adilson e Wagner
Legenda: Após voltar para o comando do Pros Ceará, Adilson Pinho anunciou que partido volta a apoiar Capitão Wagner
Foto: Divulgação

Um dia depois de anunciar apoio a candidatura de Elmano de Freitas (PT), o Partido Republicano da Ordem Social (Pros) passou por uma nova mudança no comando da comissão estadual e voltou para a aliança de Capitão Wagner (União).  

Nesta quarta-feira (3), a liminar que havia destituído Marcus Holanda da presidência nacional do Pros na última segunda-feira (1º) foi derrubada e ele voltou ao cargo no lugar de Eurípedes Júnior, que havia assumido o comando nacional da sigla no início da semana. 

Ao assumir a presidência, Eurípedes havia "destituído todas as comissões (do Pros) que haviam no Estado", explica Adilson Pinho, que voltou a presidência estadual da sigla após a derrubada da liminar. 

Antes, o comando ficou brevemente com Otoni Lopes Oliveira Neto, sobrinho do ex-senador Eunício Oliveira, que havia anunciado o apoio ao PT para a disputa estadual. "O Pros anuncia sua decisão de seguir as candidaturas de Elmano para governador, Camilo Santana para o Senado e Lula para Presidência", havia informado. 

Com a volta ao comando, Adilson Pinho restabeleceu o apoio a candidatura de Capitão Wagner. "Nós estamos caminhando nessa eleição alinhados com o Wagner", disse em entrevista ao Diário do Nordeste. Segundo Pinho, a convenção do Pros ocorrerá nesta sexta-feira (5), junto com a do União Brasil, e deverá confirmar este apoio. 

O presidente restituído afirmou ainda que "não existe nenhum receio" de uma nova liminar que possa mudar novamente o comando da sigla. "Foi uma sentença já final, não cabe mais recursos", disse. 

O Diário do Nordeste entrou em contato com Otoni Lopes, mas ainda não obteve resposta a respeito da mudança no comando. Outros integrantes da comissão que havia assumido o Pros Ceará com a liminar foram procuradas, mas informaram que apenas Lopes poderia se manifestar sobre a legenda.