Sarto priorizará contenção da pandemia e reformas na Capital

Prefeito foi empossado ontem. Ele afirmou que encaminhará duas reformas para a Câmara, uma previdenciária e outra administrativa. Além disso, o novo gestor apontou tripé de ações para recuperação da cidade diante da pandemia

Legenda: Roberto Cláudio passou a faixa de prefeito para Sarto e se despediu da gestão dizendo estar feliz com a escolha do sucessor
Foto: Natinho Rodrigues

Hoje, no primeiro dia após tomar posse como prefeito de Fortaleza, Sarto Nogueira (PDT) começará uma agenda de visitas a escolas da rede municipal e unidades de saúde. O foco do novo chefe do Executivo Municipal é avaliar a retomada das aulas presenciais e a logística de distribuição das vacinas contra a Covid-19. Na cerimônia de posse, realizada ontem, o pedetista sinalizou como prioridades do início do mandato as reformas da previdência e administrativa, além de medidas de contenção da pandemia de Covid-19.

Leia mais

De acordo com Sarto, o combate aos efeitos sociais e econômicos da proliferação do vírus envolve um tripé: vacinação, geração de emprego e renda da população e, ainda, a retomada das aulas.

"Já existe um plano de retorno às aulas, mas tudo depende da sintonia entre as secretarias da Educação e da Saúde do Estado e do Município. Já começo amanhã (hoje) a visitar todas as unidades de educação e também de saúde da Cidade", disse o prefeito.

Segundo o novo gestor, apesar de não haver uma sinalização detalhada do Governo Federal sobre a chegada das doses de vacina contra a Covid-19 na Capital, há uma mobilização paralela em outras esferas. "O governador Camilo Santana está liderando, com o Consórcio de Governadores do Nordeste, a aquisição de insumos e equipamentos de proteção necessários para realizar a vacinação".

Sarto informou que, no caso das escolas, o objetivo das visitas é verificar medidas de prevenção adotadas para receber os alunos. "Algumas foram ampliadas para aumentar a capacidade de aeração, fizeram aquisição de totens, há licitação de tablets, chips e internet gratuita, enfim, queremos verificar o plano de operacionalização".

Economia

Paralelamente ao retorno das atividades nas salas de aula e da vacinação, Sarto e seu vice, Élcio Batista (PSB), também empossado ontem, apontam ainda como fundamental a retomada econômica. "Para retomar é preciso investir em pessoas, melhorar a educação, o ambiente de negócios, investir em ciência e tecnologia e inovação", frisou Élcio durante a posse.

"O legado deixado pelo Roberto Cláudio dá condições para o Sarto iniciar a gestão com mais capacidade de cumprir promessas de campanha e inovar em políticas públicas", acrescentou o vice.

Sarto afirmou que planeja, já para os primeiros dias de Governo, dar encaminhamento a duas reformas municipais: uma previdenciária e outra administrativa. Os debates sobre uma proposta de reforma da Previdência já foram iniciados na gestão Roberto Cláudio (PDT) entre 2019 e 2020, "mas foram atropelados pelo motim da Segurança Pública e pela pandemia", apontou.

Segundo ele, as reuniões serão retomadas para que o projeto seja apresentado no retorno das atividades legislativas, em fevereiro. "Isso é uma construção que será feita logo, o debate começará assim que a Câmara retomar as atividades. Nós temos um determinante temporal, o Município tem uma certidão de regularização previdenciária que precisa, entre outras coisas, para receber repasses constitucionais e fazer contratações de empréstimo", disse.

No caso das mudanças administrativas, ele afirmou que serão ajustes. "Temos uma ideia de reforma porque há divergência de nomenclatura. Acreditamos que é preciso dar atenção à primeira infância, proteção animal e juventude, mas tudo isso temos que fazer tecnicamente, já estamos discutindo. O norte é não aumentar despesas. Pelo contrário, fazer contingenciamento", ressaltou o prefeito.

Posse

No fim da tarde de ontem, Sarto e Élcio participaram da cerimônia de posse na Câmara Municipal. O evento teve a participação virtual de Camilo Santana (PT). "É um homem sensível e com capacidade de diálogo, apaixonado por Fortaleza. Não tenho dúvida de que ampliará e dará continuidade ao trabalho dos últimos anos", disse o petista.

Após o evento, Sarto encontrou o agora ex-prefeito Roberto Cláudio (PDT), a quem definiu como futuro "conselheiro informal", para o ato de transmissão da faixa, no Paço Municipal. "Saio com três sentimentos: gratidão, alegria e esperança. A população escolheu o melhor em termos de caráter, biografia e conhecimento", disse sobre o sucessor.

Novos secretários serão anunciados

Após o antecessor, Roberto Cláudio (PDT), assinar decreto regulamentando o aumento de sete para 12 secretarias regionais, o novo prefeito de Fortaleza, Sarto Nogueira (PDT), irá anunciar, até a próxima segunda-feira (4), o nome dos titulares de cada área. A mudança foi aprovada na Câmara Municipal há cerca de um ano. Contudo, para sair do papel, a proposta dependia de um decreto que a regulamentasse.

Na prática, a divisão em mais secretarias pretende aproximar a população de equipamentos e serviços públicos. A mudança era sugerida no Plano Fortaleza 2040, um estudo que indica estratégias a serem implementadas em curto, médio e longo prazos para melhorar a qualidade de vida na Capital.

"O Roberto Cláudio já assinou (o decreto), então vamos agora partir para a ação objetiva. Esses territórios foram divididos de acordo com a população e com algumas sutilezas, como bairros que tinham estruturas de saúde e de educação", explicou o pedetista. O desenho da Cidade em sete regionais foi concebido ainda no Governo de Juraci Magalhães, em 1997.

Contudo, a estrutura passou a ser considerada "defasada" pela Prefeitura devido ao crescimento populacional. "Para se ter uma ideia, a Regional 6 tem hoje 650 mil pessoas, enquanto outras têm 250 mil. Houve uma completa transformação da Cidade", disse Roberto Cláudio nesta semana.

No novo desenho, as 12 regionais irão reunir 39 territórios, cada regional sendo composta por até cinco deles. Os 121 bairros devem ser agrupados em cada um desses territórios seguindo critérios como a quantidade de habitantes (entre 200 mil e 300 mil por território), a aproximação cultural e o uso de equipamentos públicos.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre política