Fortaleza é a terceira porta de entrada de turistas europeus ao País

Levantamento do Núcleo de Dados do Sistema Verdes Mares indica que o Aeroporto da Capital possui o maior tráfego de passageiros entre Europa e Brasil do Nordeste, ultrapassando Recife e Salvador, no 1º trimestre deste ano

Legenda: O maior número de voos internacionais ligando Fortaleza à Europa é uma das razões para o destaque
Foto: FOTO: JOSÉ LEOMAR

O tráfego de passageiros entre Europa e Brasil, no primeiro trimestre deste ano, tornou Fortaleza o terceiro destino mais movimentado do País, atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro e a principal porta de entrada de europeus no Nordeste. Nos primeiros três meses de 2019, foram mais de 74 mil viajantes que tiveram como origem ou destino o Aeroporto Internacional Pinto Martins, um aumento de 65,05% na comparação com igual período de 2018.

Especialistas do setor de aviação e do turismo apontam o incremento de frequências para cidades europeias e a atratividade do Ceará como fatores principais para os resultados positivos.

"Por enquanto, a resposta das companhias está sendo positiva. Foi uma aposta das empresas aéreas este aumento de oferta. Elas estão adotando realmente o Aeroporto como uma porta de entrada. O Rio de Janeiro, que é uma porta de entrada do turismo, está sofrendo há algum tempo uma série de problemas, perdendo voos. Então, Fortaleza está ganhando espaço neste contexto. Os números estão apontando por enquanto que a porta está sendo bem-sucedida", avalia Cláudio Jorge, professor do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Segundo levantamento realizado pelo Núcleo de Dados do Sistema Verdes Mares, com informações obtidas da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Fortaleza ultrapassou os aeroportos de Recife (PE) e Salvador (BA), no primeiro trimestre deste ano. Além disso, a Capital superou os resultados internacionais entre Brasil e Europa do aeroporto de Viracopos, em Campinas, no interior paulista.

"Na hora que a economia brasileira começar a deslanchar, não tenha dúvida, vai dar problema no Aeroporto de São Paulo, que está com uma capacidade relativamente limitada, e Fortaleza pode se beneficiar. O Aeroporto de Fortaleza tem um plano de expansão e já está se adequando para quando, inclusive, a economia melhorar. Nesse ponto, Fortaleza tem uma certa vantagem. Salvador está fazendo também uma expansão, já preocupada com a concorrência. E Recife talvez não tenha muita chance de crescer porque o sítio aeroportuário dele está bastante limitado", acrescenta o professor do ITA.

Segundo ele, a força que Fortaleza mostrou nos resultados mês a mês reforça a tese de que talvez a Capital se torne de vez a porta principal de turistas europeus no Nordeste. "Com o tempo, a gente vai verificar se ela vai permanecer sendo a principal porta, se vai compartilhar com outro aeroporto, ou se vai ser sazonal. Mas, de qualquer forma, os resultados são entusiasmantes. Os números geram expectativa muito favorável".

Atração de mais voos

Cláudio Jorge também aposta que, com os resultados positivos da Capital cearense no mercado aéreo internacional, outras empresas devam se interessar em inaugurar novos voos para o exterior a partir de Fortaleza. "Uma empresa aérea entra e começa a ter um bom rendimento e outras vêm para competir e isso vai gerando uma força maior naquele ponto de apoio que é o aeroporto. Como o Nordeste brasileiro está mais perto da Europa, e se começar a funcionar, se a demanda realmente aderir a esses voos, isso é ótimo", afirma.

Perfil

Conforme levantamento, Fortaleza sempre esteve entre as cinco cidades que mais movimentaram passageiros com origem ou destino à Europa, nos últimos 10 anos. Desde 2008, o volume de pessoas cresceu mais de 83%, passando de 144,8 mil para 265,3 mil viajantes no ano passado.

Em 2018, os franceses lideraram o ranking de estrangeiros no Ceará, mas foram os holandeses que tiveram a maior alta em apenas um ano, de 123,8%. Segundo a Secretaria do Turismo do Estado (Setur), foram 67,5 mil turistas da França. Logo em seguida aparecem Itália (37.960), Alemanha (35.124), Portugal (26.960) e Holanda (25.084). Países como Reino Unido, Bélgica, Polônia, Noruega, Suécia e Dinamarca também ganharam destaque na comparação anual.

"A posição geográfica do Ceará é favorável para isso. A gente percebe que há uma procura muito grande do brasileiro para a Europa e vice-versa. Os europeus tendem a procurar o litoral, e pela proximidade com a Europa, o Ceará passa a ser um portão de entrada", observa a coordenadora do curso de Turismo do Instituto Federal do Ceará (IFCE), Susana Dantas.

Segundo ela, outros destinos no Estado estão sendo desenvolvidos para atrair cada vez mais europeus. "O crescimento do kitesurf no Litoral Oeste está desenvolvendo muitas pousadas. Esse litoral passou um tempo em decadência e de repente a gente percebe um boom do turismo europeu", avalia. Segundo a Setur, em média, os turistas estrangeiros ficam no Ceará por 10,3 dias e têm gastos per capita de R$5,1 mil. Além disso, 51% utilizam a rede hoteleira como meio de hospedagens e 89% pensam voltar ao Estado.