BNB destina R$ 601 milhões ao Ceará com Plano Safra 2020/2021

Do montante total, R$ 453 milhões são direcionados à agricultura familiar pelo Pronaf e R$ 148 milhões ao agronegócio. Estado participa com 7% do montante total destinado à área de atuação do banco, prevista em R$ 8,26 bilhões

Legenda: O BNB anunciou que, caso haja demanda, terá capacidade para ultrapassar a meta prevista
Foto: Foto: Honório Barbosa

Os produtores rurais cearenses contarão com R$ 601 milhões em crédito pelo Banco do Nordeste (BNB) por meio do Plano Safra 2020/2021. Da soma total, R$ 453 milhões serão direcionados a beneficiários do Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e os outros R$ 148 milhões, ao agronegócio. Ao todo, o volume de recursos é 6,4% maior que no ano passado, quando foram aplicados R$ 564,5 milhões a mais de 69 mil produtores no campo.

O Estado participa com 7% do montante total destinado ao Nordeste e norte de Minas Gerais e Espírito Santo, previsto em R$ 8,26 bilhões. O valor previsto é 6% superior à meta da safra 2019/2020 (R$ 7,80 bilhões). No entanto, o BNB anunciou que, caso haja demanda, terá capacidade para ultrapassar a meta prevista.

Do valor total previsto para a safra atual, R$ 3,2 bilhões são para custeio, R$ 1,4 bilhão para investimentos e R$ 160 mil para comercialização. Os R$ 3,5 bilhões restantes serão direcionados ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

"Vamos crescer o Plano Safra na mesma magnitude de 6% que cresceram as outras fontes de financiamento e, caso haja demanda qualificada, o banco ultrapassará a meta de R$ 8,26 bilhões. Esse recurso permitirá o atendimento de mais de 590 mil produtores da nossa área de atuação, e os juros serão ainda mais baixos", disse Luiz Sérgio Farias Machado, superintendente de varejo e agronegócios do BNB, ontem (2).

Os juros do Plano Safra sofreram uma redução média de 19% a 23% em relação ao plano do ano passado, a depender da finalidade.

O presidente do BNB, Romildo Rolim, ressaltou que o banco superou a meta prevista para o Plano Safra 2019/2020, concedendo cerca de R$ 8 bilhões, e as contratações totais de crédito no primeiro semestre do ano, que somaram R$ 18,4 bilhões. "Aplicamos todos os nossos orçamentos em 2019 e em 2020 estamos caminhando para uma aplicação recorde. No primeiro semestre, fizemos todo o orçamento previsto", disse.

Aplicativo

Ontem, o BNB lançou o aplicativo BNB Agro, que permite o acesso a operações como Custeio Digital e Comercialização Digital de forma 100% online, pela internet ou pelo aplicativo. A ferramenta está disponível desde quinta-feira (1º), possibilitando a captação de recursos do Plano Safra 2020/2021. "Queremos que esse crédito chegue o mais rápido possível ao produtor, através dos canais digitais", disse Romildo Rolim.

Além de ter maior facilidade para acessar o crédito, o cliente do banco poderá interagir, por exemplo, com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), acessando pesquisas e dados técnicos. Além do acesso ao crédito, o aplicativo possui um canal para cadastro de conta digital.

Brasil

Em vigor desde quinta-feira (1°), o Plano Safra da temporada 2020/2021 irá disponibilizar R$ 236,3 bilhões para apoiar a produção agropecuária em todo o País. O valor é 6,1% maior que o da safra anterior (R$ 13,5 bilhões) e o maior da história. Os produtores rurais podem acessar os recursos para financiamento nos bancos que operam com crédito rural e nas cooperativas de crédito.

Do total programado, R$ 179,38 bilhões estão destinados a custeio, comercialização e industrialização e R$ 56,92 bilhões para investimentos. Para o seguro rural de 2021, o Governo disponibilizou R$ 1,3 bilhão, possibilitando a contratação de 298 mil apólices, em montante segurado da ordem de R$ 52 bilhões e cobertura de 21 milhões de hectares.

De acordo com o Ministério da Agricultura, o recurso vai garantir a continuidade da produção no campo e o abastecimento de alimentos no País durante e após a pandemia do novo coronavírus.