PCR, cartão de vacina, público 10 vezes menor: saiba como será o 1º evento-teste musical no Ceará

Participantes do Festival Jazz & Blues, em Guaramiranga, serão monitorados até 21 dias após o evento para apurar possíveis notificações de doenças

Festival de Guaramiranga
Legenda: A última edição do Festival Jazz & Blues de Guaramiranga ocorreu em fevereiro de 2020, antes dos primeiros casos de Covid-19 no Ceará
Foto: Natinho Rodrigues

O Festival Jazz & Blues, que tradicionalmente ocorre no Carnaval, em Guaramiranga, foi escolhido pelo Governo do Ceará para, na próxima sexta-feira (17) e no próximo sábado (18), ser o primeiro evento-teste de música com público promovido no Estado após a diminuição dos casos de Covid-19.

Todos os participantes, dentre espectadores, músicos e trabalhadores da cadeia produtiva, começaram nesta semana a ser testados gratuitamente pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) para detecção do coronavírus e devem continuar sendo monitorados pela Secretaria da Saúde (Sesa) durante e após o evento. 

De acordo com a Sesa, o monitoramento após o festival será por 21 dias, por meio de formulário online, com o objetivo de apurar possíveis doenças de notificação imediata.

A população de Guaramiranga também deve ser acompanhada, segundo a pasta, nos atendimentos rotineiros feitos pelas unidades de saúde municipais.   

“Tivemos muitas reuniões para ajustar a questão da testagem. Saber quantas pessoas iriam participar, o que a gente teria que fazer, se era o [teste] RT-PCR ou o antígeno, aí ficou definido que o Lacen iria fazer toda a testagem de PCR não só para os participantes, mas, também, para toda a cadeia de trabalhadores, de músicos”, explica a diretora do laboratório, Liana Perdigão Mello.

A estimativa é de que 200 pessoas por dia passem pelo festival. 

Segundo Liana Perdigão Mello, diretora do Lacen, os participantes do Festival Jazz & Blues estão sendo submetidos a exames RT-PCR para detecção da Covid-19.
Legenda: Segundo Liana Perdigão Mello, diretora do Lacen, os participantes do Festival Jazz & Blues estão sendo submetidos a exames RT-PCR para detecção da Covid-19.
Foto: Luana Severo

Nesta terça-feira (14), segundo Liana, também foram colhidas pelo Lacen 612 amostras de trabalhadores da rede hoteleira e de serviços de Guaramiranga.

Como temos uma diminuição de casos no Estado, podemos estar dando todo o suporte ao evento. E aí, se tiverem outros [eventos-teste], com certeza, a gente vai ter reunião pra ver o público e a quantidade de pessoas pra poder [de novo] oferecer o teste”
Liana Perdigão Mello
Diretora do Lacen

O exame dá uma margem de segurança de 48 horas para garantir que participem do festival somente quem estiver negativado para a presença do vírus. 

Evento menor e mais seguro 

Normalmente, circula no Festival Jazz & Blues uma média de duas mil pessoas por dia. Só a capacidade de pessoas sentadas é de 800, segundo a diretora do festival, Maria Amélia Mamede. Ela acredita que a experiência deste ano deve servir para moldar novas formas de fazer evento no Estado, considerando que as restrições impostas pela pandemia devem continuar por tempo indeterminado.  

“Num lugar onde cabiam 800 cadeiras, a gente vai colocar 200. Vai respeitar distanciamento, higienizar todas essas cadeiras. E eu acho que o mais rico é isso. Serve também como um treinamento pra possíveis outros vírus que vierem a aparecer. Saber o que é preciso fazer para enfrentar. Porque é uma verdadeira guerra”, compreende Mamede. 

Protocolo 

Seguindo orientações descritas no Protocolo de Eventos-Testes do Governo, o Festival Jazz & Blues fez uma série de exigências aos participantes, como, por exemplo: 

  • Ter tomado duas doses ou dose única de vacina contra a Covid-19 pelo menos 15 dias antes do evento. A comprovação é feita com o cartão de vacinação; 
  • Ter testado negativamente para a Covid-19 entre 48h e 24h antes; 
  • Informar dados pessoais para o monitoramento da Sesa; 
  • Usar máscara dos modelos PFF2 ou N95; 
  • Obedecer ao distanciamento social e aos tradicionais protocolos de biossegurança. 

“Talvez será o lugar com pessoas mais seguro”, aposta Maria Amélia Mamede, lembrando que outras atividades culturais como teatro e cinema, que já estão funcionando, não têm a mesma rigidez nos protocolos.  

Adaptação da programação 

Para evitar trazer para o Ceará artistas de estados onde a pandemia, talvez, não esteja tão controlada, ou onde variantes como a Delta estejam se transmitindo com mais facilidade, a programação do Festival Jazz & Blues vai contar apenas com artistas locais

Além disso, segundo Mamede, a decisão facilita substituições nas bandas caso os músicos testem positivo para a Covid-19. “Os artistas começaram a ser testados hoje (15), vamos torcer pra que todos deem negativo”, espera a diretora. 

Para os que não vão poder participar de forma presencial, o festival será transmitido ao vivo no YouTube, na sexta-feira (17) e no sábado (18).

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados