O que tem impedido a chegada da Sputnik ao Ceará?

O envio de 183 mil doses foi suspenso devido a atritos diplomáticos entre Brasil e Rússia. Segundo especialistas, apesar de poucas doses, vacina seria importante para acelerar a imunização coletiva

Inicialmente, o Ceará tinha assinado contrato de intenção de compra de 5,8 milhões de doses da vacina russa. A Anvisa, porém, liberou apenas o equivalente a 183 mil doses para o Estado.
Legenda: Inicialmente, o Ceará tinha assinado contrato de intenção de compra de 5,8 milhões de doses da vacina russa. A Anvisa, porém, liberou apenas o equivalente a 183 mil doses para o Estado.
Foto: Shutterstock

O Ceará deveria ter recebido nesta quarta-feira (28) 183 mil doses da vacina russa Sputnik V contra a Covid-19. As doses viriam num lote de 1,1 milhão, negociado diretamente entre os estados que compõem o Consórcio Nordeste e a Rússia.  

As vacinas não chegaram porque o governo russo suspendeu o envio tanto devido à não liberação de licenças excepcionais de importação quanto porque o ministro da saúde do Brasil, Marcelo Queiroga, chegou a afirmar publicamente que o País não precisaria do imunizante para compor o Plano Nacional de Imunização (PNI). 

Em entrevista coletiva, o ministro disse que as vacinas compradas pelo Governo Federal até o momento são suficientes para vacinar toda a população adulta em duas doses e que, por isso, não precisaria nem da Sputnik V nem da indiana Covaxin — cuja compra pelo governo Bolsonaro está sendo investigada para apurar irregularidades.

Não temos a necessidade de doses adicionais desses imunizantes que obtiveram licença de importação”.
Marcelo Queiroga
Ministro da Saúde

Para tentar reverter a crise diplomática e burocrática e liberar as doses, representantes do Consórcio Nordeste se reuniram nesta quarta-feira com o governo russo. O Governo do Ceará ainda não se manifestou a respeito.

Entraves 

Os principais entraves para a vinda da Sputnik V ao Brasil são políticos e burocráticos

A vacina começou a ser negociada ano passado diretamente entre o Consórcio Nordeste e o Fundo Soberano Russo por meio do governador baiano Rui Costa, que, à época, presidia o consórcio.  

Neste ano, foi feito pedido ainda em janeiro para uso emergencial da Sputnik V no País. No entanto, devido a uma série de situações como falta de documentos comprobatórios de segurança, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) foi relutante à autorização, que só veio depois de os estados nordestinos recorrerem ao Supremo Tribunal Federal (STF) para intervir judicialmente.

Prejuízos à imunização

Quanto maior a demora na chegada de novas doses de vacinas ao Ceará, menos fôlego o Estado tem na corrida contra a Covid-19 e mais pessoas ficam sujeitas a adoecer de forma grave e morrer, especialmente quando a variante Delta já foi detectada em cearenses.

Segundo especialistas consultados pelo Diário do Nordeste, a tecnologia aplicada na Sputnik V é semelhante à da vacina AstraZeneca, já aplicada massivamente no Brasil e com eficácia comprovada contra a Delta. Dessa forma, embarreirar a inserção do imunizante na campanha pode custar alto à saúde pública.

"Nós estamos precisando de rapidez. Principalmente, considerando a emergência dessa variante Delta", alerta o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações no Ceará (SBIm-CE), Robério Leite. Além da notícia da suspensão do envio das doses da Sputnik V nesta semana, ele lamenta a Anvisa ter reduzido de 5,8 milhões para 183 mil o número de doses possíveis de serem compradas diretamente pelo Ceará no contrato com a Rússia.

No entanto, o diretor, que também é professor-adjunto de Pediatria na Universidade Federal do Ceará (UFC), acredita que o experimento da vacinação com a Sputnik V pode, futuramente, favorecer uma autorização permanente de uso pela Anvisa.

Quando desabastece [de vacinas], interrompe, leva desconfiança à população, desânimo, e vai criando uma indisposição que é muito ruim". 
Robério Leite
Diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações no Ceará (SBIm-CE)

Consultor da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP-CE), o médico infectologista Keny Colares acrescenta que todas as informações disponíveis atualmente sobre a vacina russa são favoráveis ao uso dela e que, principalmente devido à escassez de doses, à baixa cobertura vacinal no País e à ameaça da Delta, contar com vacinas por compra direta seria fundamental para prevenir cenários piores da pandemia.

Dentro desse contexto, essa notícia [da suspensão do envio das doses] é ruim. Espero que estejam sendo adotadas medidas para contornar essa dificuldade e a gente receba essas vacinas e outras, dentro daquele princípio de que, independentemente da vacina, por mais que haja diferença entre uma e outra, o mais importante é ter gente vacinada". 
Keny Colares
Consultor da Escola de Saúde Pública do Ceará

Linha do tempo

Ceará havia negociado a compra direta de 5,8 milhões de doses da Sputnik. Contudo, a Anvisa liberou apenas 183 mil doses, o que, segundo especialistas, apesar de ser importante, não deve mais interferir de forma muito significativa na campanha de vacinação.
Legenda: Ceará havia negociado a compra direta de 5,8 milhões de doses da Sputnik. Contudo, a Anvisa liberou apenas 183 mil doses, o que, segundo especialistas, apesar de ser importante, não deve mais interferir de forma muito significativa na campanha de vacinação.
Foto: Thiago Gadelha

Confira em ordem cronológica os principais fatos sobre a importação da Sputnik V para o Brasil e entenda o que dificulta a chegada das doses.

15 de janeiro – A empresa farmacêutica União Química protocola pedido de autorização de uso emergencial da Sputnik V na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). 

2 de fevereiro – O Instituto Gamaleya, da Rússia, divulga resultados preliminares da Sputnik V apontando taxa de eficácia de 91,6%. 

12 de março - Governadores do Consórcio Nordeste apresentam proposta para a compra de 39,6 milhões de doses da Sputnik V. 

19 de março - Em meio ao lockdown provocado pela segunda onda da Covid-19, o Governo do Ceará, que compõe o Consórcio Nordeste, assina contrato com o Instituto Gamaleya para a compra direta de 5,8 milhões de doses da Sputnik V. 

13 de abril - Atendendo a uma solicitação do Governo do Maranhão, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), determina que a Anvisa tem até o fim do mês para decidir sobre a autorização da importação da Sputnik V pelos estados nordestinos. 

26 de abril – A Anvisa nega a autorização ao Nordeste para a compra direta da Sputnik V alegando falta de documentações comprobatórias da segurança da vacina e possibilidade de falhas na fabricação. 

5 de maio – Alvo de ataques por supostamente dificultar a importação da Sputnik V, a Anvisa se manifesta em nota afirmando serem “inadmissíveis os ataques à autoridade sanitária do Brasil e aos seus servidores públicos, que vêm atuando conforme a missão de servir ao Estado brasileiro e de promover a proteção da saúde da população”. A agência reforçou que o principal motivo para não autorizar a importação era a falta de informações sobre a segurança, a qualidade e a eficácia do imunizante.  

4 de junho – A Anvisa aprova a importação excepcional e temporária tanto da Sputnik V quanto da vacina indiana Covaxin. No entanto, limita a aplicação de doses a somente 1% da população (adulta e saudável). Pela nova regra, o Ceará passa a poder concluir a compra direta apenas de 183 mil doses e não mais de 5,8 milhões. 

8 de julho – O Ceará se organiza para a distribuição e a aplicação da Sputnik V. Limoeiro do Norte é a primeira cidade anunciada pelo Estado a receber doses. A ideia era que cinco municípios, no total, aplicassem a vacina russa na população adulta até os 18 anos de idade. 

19 de julho – Governadores do Nordeste assinam ofício reagindo a uma declaração do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, que afirmou que o Brasil não contaria nem com a Sputnik V nem com a Covaxin no Plano Nacional de Imunização (PNI). 

20 de julho – O dia 28 de julho é cravado como o dia em que as 183 mil doses da Sputnik chegariam ao Ceará. Pela logística, os imunizantes desembarcariam primeiro em Recife, Pernambuco. 

28 de julho – Após o ministro da saúde brasileiro dizer publicamente que o PNI não precisaria da Sputnik V, o governo russo suspende o envio do lote com 1,1 milhão de doses da vacina negociado pelo Consórcio Nordeste. 

29 de julho – Em entrevista ao G1 do Piauí, o governador piauiense e atual presidente do Consórcio Nordeste, Wellington Dias, relata, após reunião com a Rússia, que as doses não puderam ser enviadas dentro do cronograma previsto porque não foram autorizadas pela Anvisa as licenças excepcionais de importação necessárias.

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados