Inquérito sobre confronto na José Avelino será feito com todo rigor, diz Camilo

O embate entre a Guarda Municipal de Fortaleza e ambulantes foi classificado pelo gestor como "lamentável episódio de violência"

Escrito por Carol Melo, carolina.melo@svm.com.br

Metro
Camilo Santana
Legenda: Político ainda se solidarizou com as vítimas do confronto, que causou a morte de um homem
Foto: Kid Júnior

O governador Camilo Santana determinou rigor no inquérito sobre a dispersão de feirantes na Rua José Avelino, em Fortaleza, que ocorreu na madrugara desta quarta-feira (18). O embate entre a Guarda Municipal da Capital e ambulantes foi classificado pelo gestor como "lamentável episódio de violência". Um homem morreu

Declaração Camilo Santana
Foto: reprodução/Instagram

O chefe do Executivo estadual ainda completou dizendo que "o confronto nunca será o melhor caminho", e se solidarizou às vítimas. 

Em nota, a Polícia Civil afirmou que investiga as circunstâncias acerca de uma ocorrência "que resultou na morte da vítima do sexo masculino. Os ambulantes, no entanto, denunciam que o homem foi atingido por um tiro vindo dos agentes. 

Inicialmente, o crime foi registrado no 34º DP, no Centro, onde o irmão do homem baleado prestou depoimento.  "O caso agora está a cargo do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da PC-CE, que já está em campo visando elucidar o caso", complementa a PC-CE. 

'Possíveis excessos'

Horas após o ocorrido, o perfeito Sarto Nogueira afirmou que os "possíveis excessos" da ocorrência também serão apurados na esfera administrativa. O gestor municipal determinou a abertura de uma sindicância.

sarto nogueira determina abertura de processo administrativo contra agentes da guarda municipal
Legenda: O prefeito também se solidarizou com as vítimas do confronto
Foto: Reprodução/Twitter

Sarto antecipou também que irá em busca de alternativas para dar uma resposta à demanda dos feirantes, que não podem expor os produtos na feira livre por conta das atuais restrições ao comércio. 

"Estabeleci prioridade máxima para, juntos, encontrarmos uma alternativa digna para os ambulantes que ocupam o entorno da rua José Avelino. Uma solução que respeite o uso e a ocupação dos espaços públicos e o decreto de isolamento social em vigor".  

Manutenção de regras do decreto

No início da manhã, o secretário municipal da Segurança Cidadã (Sesec), Coronel Holanda, afirmou que os agentes foram ao local antecipadamente para orientar e pedir a remoção das barracas em cumprimento ao decreto de enfrentamento à Covid-19. Contudo, os ambulantes não atenderam ao apelo, o que gerou as cenas de violência. 

"As imagens são muito claras. As ruas ficaram tomadas de pedras, muitos rojões foram atirados, barras de ferro e tapumes arrancados. Foi um cenário muito triste. A gente lamenta muito, mas fica sempre à disposição em manter um canal de diálogo", disse.

Já os trabalhadores pedem diálogo durante as ações de reordenamento urbano. "Chegasse e dialogasse, e não dialoga. Só manda  a força Infelizmente, não é a intenção de feirante nenhum se manifestar de tal maneira, mas nós não temos outra opção", lamenta um feirante.