Estudante perde 6 familiares para Covid em intervalo de 45 dias no Ceará : 'Inexplicável'

Segundo especialistas, mortes de pessoas da mesma família são vistas com maior frequência este ano, ante 2020. Fatores associados à nova variante podem justificar as múltiplas perdas

Legenda: Nesta quinta (8), o Ceará ultrapassou a marca dos 15 mil óbitos por Covid-19
Foto: Kid Júnior

"A gente nunca imaginou ter que ligar para o cemitério constantemente para comprar jazigos e deixar reservado por ter pessoas [da família] hospitalizadas. É uma coisa inexplicável". O relato dramático é do acadêmico de Direito, Samuel de Souza Abreu, 24. Em um intervalo de 45 dias, ele perdeu seis pessoas da família para a Covid-19. A média é de uma morte a cada semana, durante um mês e meio.  

A avó materna do estudante, Maria de Souza Abreu, 81, era diabética e foi a primeira pessoa da família a morrer em decorrência da doença, no último dia 11 de fevereiro. Cerca de 15 dias depois, o irmão de Dona Eluína, como também era conhecida, veio a óbito aos 62 anos.  

Na sequência, Samuel perdeu um primo, 44; além de três tias, de 77, 55 e 49 anos. A mais jovem tinha obesidade e as outras duas morreram na mesma madrugada do dia 16 de março.  

Legenda: Maria de Souza Abreu, a avó de Samuel, foi a primeira pessoa da família a morrer em decorrência da Covid-19
Foto: Arquivo pessoal

As seis vítimas residiam no Bairro Mangabeira, no Eusébio, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). Desde o início da pandemia até domingo (11), o município contabilizou 97 mortes e 6.487 casos confirmados de Covid-19, conforme a plataforma IntegraSUS, gerida pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa). O Eusébio está em estado de alerta altíssimo para transmissão da doença. 

Além das mortes, aproximadamente mais 30 integrantes da família de Samuel – incluindo ele – foram diagnosticados com coronavírus. Seu avô materno e um tio também foram internados em UTIs, mas já receberam alta. 

Laços fortalecidos 

As perdas em um período tão curto de tempo provocaram abalos psicológicos e amplificaram o medo, levando a numerosa família a redobrar os cuidados para evitar a doença.  

Por outro lado, fortaleceram a união entre todos. “A proximidade, o amor, o perdão, esses laços, que por alguma circunstância da vida ficaram afastados, hoje foram reatados”, considera Samuel. 

Legenda: Em menos de 15 dias, Caroline perdeu o tio (vestindo cinza), a avó (estampado) e o pai (de amarelo)
Foto: Arquivo pessoal

A dor da ausência também se faz presente no dia a dia da fisioterapeuta Caroline Uchoa, 32. Em menos de 15 dias, ela perdeu o pai, com 65 anos; a avó materna, com 80; e o único tio por parte de mãe e também seu padrinho, com 52.  

Diabético e hipertenso, o pai de Caroline trabalhava em uma concessionária de automóveis e foi o primeiro a apresentar os sintomas da Covid, no início do mês de março.  

Em seguida, outros membros da família testaram positivo para a doença. A avó era pré-diabética, hipertensa e sofria com um problema no fígado. Já o tio era hipertenso e obeso.  

“Minha mãe perdeu o marido e o irmão no mesmo dia [24 de março]. Meu pai e meu tio morreram quase na mesma hora”
Caroline Uchoa
perdeu pai, avó e o tio para a Covid

A avó, aponta ainda, foi a última a falecer, no domingo (4).  

"A luta continua"

Em meio a tantas perdas, Caroline diz que “a luta ainda continua”, pois o seu avô materno está internado em uma UTI Covid, há mais de 20 dias. O idoso de 86 anos é diabético, hipertenso e tem Alzheimer.  

“Eu sou da área da Saúde, sabia da gravidade e da importância que tinham todos os cuidados [de prevenção], só que dessa vez [segunda onda] foi devastador. Nossa família é pequena e isso é devastador pra quem fica, mas a fé tem sido uma aliada muito importante [para nós]”. 

Cresce número de mortes na mesma família 

Desde a confirmação dos casos de infecção pela nova variante no Ceará, se tornaram mais comuns registros de mortes por Covid-19 entre múltiplos membros de famílias como as de Samuel e Caroline.  

Com o início da segunda onda em outubro de 2020, cujo pico foi atingido em 1º de março, notou-se maior incidência de casos confirmados e, consequentemente, de mais mortes pela doença. Nesta quinta (8), o Estado ultrapassou a marca de 15 mil óbitos por Covid-19. No domingo, já eram 15.441 vidas perdidas para a Covid no Ceará.

Para o infectologista do Hospital São José e professor de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC), Roberto da Justa, o agravamento da doença, seja entre pessoas dos mesmos grupos familiares ou não, pode estar relacionado à intensidade da própria pandemia nesta segunda onda. 

“Se tem um vírus circulando de forma mais intensa, uma curva epidêmica em ascensão, então, espera-se que mais pessoas sejam acometidas. E, às vezes, essas pessoas fazem parte do mesmo grupo familiar”.
Roberto da Justa
Infectologista
 

De acordo com o especialista, estudos apontam, com cada vez mais veemência, que a nova variante é mais contagiosa e capaz de causar quadros mais graves da doença, repercutindo em mais internamentos e óbitos. Isso também pode contribuir para o acometimento da doença e de mortes em mais membros de uma mesma família. 

Outro ponto a ser considerado, elenca Roberto da Justa, é a mudança no perfil dos pacientes internados pela doença. Diferente da primeira onda, quando a Covid se manifestava de forma mais grave entre idosos, há faixas etárias mais baixas sofrendo os mesmos efeitos, agora, na segunda onda. 

“A gente sabe que o jovem também serve, digamos, como vetor. Muitas vezes, ele leva o vírus pra dentro de casa, mesmo tendo membros da família em isolamento, se preservando", diz, indicando a aceleração da vacinação em massa como a única solução efetiva para o problema. "Se a gente tivesse avançando mais rapidamente na vacinação, talvez esses dramas não estivessem ocorrendo”. 

Prevenção também dentro de casa

Enquanto a vacina não contempla a maioria da população brasileira, os cuidados fora e, inclusive, dentro de casa devem ser reforçados, orienta a infectologista e professora da faculdade de Medicina da UFC, Mônica Façanha. 

Na opinião da especialista, se comparado a 2020, as pessoas hoje estão “mais relaxadas”, ignorando dentro de casa as medidas de prevenção que devem, obrigatoriamente, adotar na rua. Entre elas, o uso da máscara, o distanciamento físico e a higienização das mãos. 

"A gente vê que as pessoas chegam em casa e se sentem à vontade pra tirar a máscara e conversar mais de perto, almoçar na mesa, abraçar o filho, não tem aquela distância e isso é o que está causando esses pequenos surtos familiares”.  
Mônica Façanha
Infectologista

Logo, essa pessoa, sobretudo se assintomática, acaba por infectar os demais, levando todos os familiares a adoecer ao mesmo tempo. “Ainda estamos em uma fase muito ruim [da pandemia], com uma grande quantidade de transmissão. Então, a gente não precisa ficar muito tempo exposto para correr o risco de receber o vírus”.

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza

Assuntos Relacionados