Apenas 58 cidades do Ceará vacinaram mais de 10% da população com 2 doses contra a Covid-19

A velocidade da vacinação segue afetada pelas restrições na disponibilidade dos imunizantes. Somente um município aplicou a segunda dose em mais de 20% dos moradores

Monsenhor Tabosa é a cidade que tem a maior proporção de habitantes vacinados no Ceará.
Legenda: Monsenhor Tabosa é a cidade que tem a maior proporção de habitantes vacinados no Ceará.
Foto: Divulgação/Secretaria da Saúde de Monsenhor Tabosa

Com a disponibilidade das vacinas contra a Covid-19 ainda em ritmo lento no Brasil, dos 184 municípios do Ceará, somente 58 já conseguiram aplicar, até a última quinta-feira (6), as duas doses dos imunizantes em mais de 10% da população. No Estado, até o momento, foram recebidas 2,8 milhões de doses e 2,1 milhões foram aplicadas, somando primeira e segunda dose.

A cidade de Monsenhor Tabosa, localizada no Sertão dos Crateús, é a que tem a maior proporção de habitantes vacinados no Estado. Foram aplicadas as duas doses em 25,74%, dos 17,2 mil habitantes. Ao todo, 4,4 mil pessoas já receberam as 2 doses no município. Em relação à 1º dose, 31,99% dos moradores já foram vacinados.

Além da cidade, outras 57 vacinaram com as duas doses entre 10,04% e 15,23% da população. Destas,  imunizaram mais de 11% dos moradores: Poranga, Santa Quitéria, Umari, Tamboril, Crateús, Mucambo Santana do Acaraú, Iracema, Aratuba, Graça, Mombaça, Quiterianópolis, São João do Jaguaribe, Cariré, Baixio, Itaiçaba, Catunda, Pereiro, Reriutaba, Altaneira, Ipaporanga, Tauá, Tarrafas, Barro, Cedro, Orós, Quixelô e Jaguaribe.

Superam os 10%, mas ainda não alcançaram ainda 11% dos habitantes, a seguintes cidades: Ipaumirim, Pires Ferreira, Senador Pompeu, Caririaçu, Lavras da Mangabeira, Nova Russas, Piquet Carneiro, Independência, Solonópole, Pindoretama, Groaíras, Granjeiro, Ararendá, Croatá, Ipueiras, Cariús, Hidrolândia, Itarema, Palhano, Ererê, Milagres, Farias Brito, Novo Oriente, Guaraciaba do Norte, Deputado Irapuan Pinheiro, São Benedito, Quixeramobim, Antonina do Norte e Aracoiaba, 

Fortaleza, com 2,6 milhões de habitantes, vacinou, até agora, 208 mil pessoas com as 2 doses. Isso equivale a 7,76% da população. Já Horizonte, com 68 mil habitantes, garantiu a aplicação da segunda dose em somente 3,29% da população. É o município com o menor índice proporcional de imunização com as duas doses.

O levantamento feito pelo Diário do Nordeste considera as informações disponibilizadas pelo vacinômetro da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), registradas até a última quinta-feira (6), e relaciona os dados com as estimativas populacionais utilizadas oficialmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o ano de 2021.

No Ceará, as primeiras vacinas contra a Covid-19 chegaram no dia 18 de janeiro, e desde o dia 20 do mesmo mês todos os 184 municípios passaram a ter disponíveis oficialmente os imunizantes, segundo a Sesa. Já são 108 dias de imunização contra a doença que já matou mais 18,2 pessoas no Estado.

No total, o Ceará recebeu, até sexta-feira, 20 lotes de vacinas, totalizando quase 3 milhões de doses. A aplicação da segunda dose, em geral, teve início no dia 13 de fevereiro. Portanto, são, pelo menos, 84 dias de imunização em curso.

Problemas com a segunda dose

No Ceará, assim como em outros estados brasileiros, a aplicação da 2º dose chegou a ser interrompida devido à falta de vacinas. No dia 29 de abril, em nota, a Sesa informou que “apesar do Ministério da Saúde ter orientado, no dia 16 de março de 2021, a utilização total das doses distribuídas como D1”, a Secretaria não recomendou que as gestões municipais assim procedessem.

Isto porque, segundo a Sesa, "uma vez utilizado, o quantitativo equivalente poderia não ser reposto posteriormente, comprometendo o intervalo preconizado entre as doses".

O planejamento da aquisição das vacinas é uma responsabilidade do Programa Nacional de Imunizações (PNI), por meio do Ministério da Saúde. Ao Estado compete a distribuição dos imunizantes nos 184 municípios, conforme os envios dos lotes pelo Governo Federal.

Intervalo entre as doses

Até o momento, o Ceará recebeu 1.721.200 doses do laboratório da Sinovac/Butantan, 1.176.550 doses do laboratório AstraZeneca/Fiocruz e 17.550 doses da Pfizer/BioNTech.

Os três imunizantes têm intervalos distintos entre a primeira e a segunda dose. Quem recebe a Covonavac, deve tomar a segunda entre 14 e 28 dias. Já quem é imunizado com a AstraZeneca o espaço é de 90 dias. No caso da Pfizer o intervalo de 12 semanas entre a primeira e a segunda.

O imunizante da Pfizer, terceiro a ser aplicado no Ceará, requer uma logística específica e deve ser guardado a baixas temperaturas, com armazenamento entre -25ºC e -15ºC. Por isso, ela será aplicada somente em Fortaleza como primeira dose para pessoas do grupo da 3ª fase da Campanha Nacional de Vacinação.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza