Enem é rito de passagem e requer domínio de conteúdo, organismo saudável e equilíbrio dos candidatos

Passar por uma fase decisiva como a realização das provas do Exame Nacional do Ensino Médio requer estudo e preparo psicológico. O desafio torna-se ainda maior após um ano como 2020, no qual a humanidade atravessa as dificuldades de uma pandemia

Legenda: Apesar das dificuldades enfrentadas com a pandemia de Covid-19, a quantidade de inscritos no Enem em todo o Brasil registrou um aumento de 13,5% frente à edição passada
Foto: Bando de Imagem

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), criado em 1998, tornou-se a maior porta de entrada para o ensino superior público e particular no Brasil. Apenas neste ano mais de 325 mil pessoas no Ceará tiveram inscrição confirmada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação (MEC).

O Enem tem como principal finalidade a avaliação individual do desempenho estudantil em que o conhecimento sobre as disciplinas é avaliado ao longo de dois dias de exames. Em um total de 10 horas e 30 minutos, os estudantes respondem provas com questões relacionadas às Ciências da Natureza (Biologia, Química e Física), Ciências Humanas (História, Geografia, Filosofia e Sociologia), Linguagens, Códigos e suas Tecnologias (Português, Literatura, Língua Estrangeira, Artes, Educação Física e Tecnologias da Informação e Comunicação) e Matemática e suas tecnologias.

A psicóloga e professora da Universidade de Fortaleza, Hercília Correia Cordeiro, destaca que “o desempenho de quem vai prestar o Enem requer habilidades e competências além de conhecimento técnico devido seguir uma lógica individualista e competitiva”. Mestranda na linha de pesquisa Organização e Sociedade e estudante de Arte e Psicanálise, Hercília também atua em clínica, “onde o sofrimento e a angústia são o caminho para o encontro de si e a possibilidade de ser”. A profissional também é mãe, formada em Administração e em Psicologia, pesquisa e leciona na Universidade de Fortaleza (Unifor) no curso de Administração.

“Antes de entrar nessa competição é necessário ter em mente que cada pessoa tem um enfrentamento singular e que as reações serão desencadeadas tendo em vista a história de vida de cada indivíduo. Para encarar esse momento marcante é importante lembrarmos que o desenvolvimento das habilidades se inicia ao nascer e requer uma vida para serem constituídos. Logo, o conjunto de desempenhos é apresentado de acordo com as demandas que cada pessoa vive”, pondera Hercília Cordeiro.

Apesar das dificuldades enfrentadas com a pandemia de Covid-19, a quantidade de inscritos no Enem em todo o Brasil registrou um aumento de 13,5% frente à edição passada. O total de pessoas que se inscreveu chegou a 5.783.357. A psicóloga e administradora Hercília Cordeiro ressalta que o exame que possibilita a passagem do ensino médio para o ensino superior, pode ser também percebido como um “rito de passagem da fase da adolescência para a fase adulta”.“Portanto, os desafios, além de específicos, também podem ser interpretados como interditos de fases. E, sobretudo, faz-se necessário pensar que as habilidades e competências, sejam sociais ou técnicas, são fundamentais para o êxito dessa jornada”, explica.

Para Hercília Cordeiro, o diálogo é sempre um caminho fértil para a melhoria o desenvolvimento dos desempenhos. Por isso ela considera que “conversar com cuidadores, pais, professores, coordenadores e responsáveis pelo apoio ao aluno, podem ajudá-lo na melhoria da percepção de si”. A psicóloga ressalta ainda que o estudante precisa levar em conta que antes de fazer essa prova teve uma vida escolar anterior e que a cada etapa, semestre e série os desafios existiram e a complexidade foram sendo ampliadas e "poderá perceber que se chegou até aqui é porque existe uma vida de sucessos e condições anteriores que o tornará capaz de conseguir mais uma vez".

Legenda: Hercília Cordeiro: Com o distanciamento social, algumas novas habilidades tiveram que ser adquiridas.
Foto: Arquivo pessoal

1 - Como a autoconfiança e o preparo psicológico podem colaborar com o sucesso de candidatos ao Enem?

A máxima, ou aforismo, "conhece a ti mesmo" nos chama atenção para o cuidado que temos que dedicar a nós mesmos. Conhecer nossos desejos e inquietudes nos permite encontrar caminhos mais fluidos e assertivos para a preparação do exame. Como o Enem exige um conhecimento intelectual amplo não podemos esquecer que para acessá-lo é importante que o organismo esteja saudável e em condições de atuar em equilíbrio.

2 - A depender do curso, a concorrência é alta e isso pode desestimular quem está estudando sozinho. Que dicas poderia dar sobre como se organizar e se preparar melhor para as provas?

Concorrência alta pode desestimular quem estuda só ou está inserido em um curso se a preocupação estiver mais na concorrência do que no próprio estudo. Então estude conforme sua estrutura e atinja bons resultados diariamente. Não trace planos que não possa cumprir. Perceba quais matérias tem mais dificuldade e comece a estudar por elas. Aprender o que não lhe parece fácil pode trazer a sensação de conquista e elevar sua autoestima. 

3 - Ter um cronograma de estudos, metas e objetivos claros pode facilitar essa caminhada até o sucesso nos exames do Enem?

De maneira em geral, cronogramas são métodos de estudos que organizam a rotina do estudante que precisa lidar com um montante de matérias de diferentes disciplinas, porém fique atento se começar a acumular e perceber que não está cumprindo as etapas. Caso isso ocorra, refaça o planejamento de acordo com seu ritmo considerando que esse é um  momento em que a qualidade do estudo aumenta o potencial da aprendizagem. 

4 - 2020 foi um ano particularmente difícil para a humanidade que enfrenta uma pandemia. Como quem está estudando para o Enem, pode cuidar melhor da saúde mental e lidar com as dificuldades inerentes a esse momento?

2020 tornou o cenário mais difícil  entretanto capacitou as pessoas que tiveram menor resistência ao ensino remoto. Com o distanciamento social, algumas novas habilidades tiveram que ser adquiridas e isso pode ser entendido como um amadurecimento para um mercado de trabalho competitivo e incerto. Quanto mais dados de realidade o estudante introjetar, menos barreiras podem surgir aumentando a probabilidade de atitudes voltadas para o bem estar mental físico e intelectual.

6 - Poderia orientar sobre como estudantes que estão se preparando para o Enem podem manejar melhor o estresse do cotidiano?

O estresse na dose certa proporciona um estado de alerta ao organismo pois é uma emoção que gera tensão física. Essa tensão pode ajudar a cumprir metas e objetivos, a buscar uma forma saudável de se alimentar, proporcionar horas de sono de qualidade e evitar cansaço. Para cuidar da saúde mental fique atento à falta de senso de humor e sentimentos de ira. Se o nível de nervosismo e frustração for recorrente e não pontual, a indicação é buscar uma ajuda qualificada. 

7 - Como os familiares e amigos podem colaborar com quem está estudando para o Enem? Que atitudes podem ajudar nesse momento?

Colaborar é trabalhar em comum. Se um estudante precisa gerir seu tempo e esforços para os estudos, os familiares e amigos devem entender, respeitar e apoiar visto que é um ano mais intenso. Estar próximo quando for necessário e suficiente para cuidar, ficando atento aos limites do corpo e da mente do estudante. 

8 - Às vezes decidir sobre qual carreira seguir quando se é muito jovem, é difícil.  Que orientações daria para quem tem dúvidas sobre a escolha do curso? 

A escolha de um curso pode se dar de diversas formas, mas acredito que a ideal é a que é feita com mais consciência. Por exemplo: um estudante pode escolher fazer direito pelo fato de na família terem vários advogados, mas isso não fala de si e sim de exemplos familiares. Portanto, comece respondendo questões pessoais como : o que você gostaria de aprender ? A escolha do curso está atrelada a condições financeiras ?O objetivo é cursar uma faculdade pública ou particular? Na sua cidade tem o curso que você se interessa ? Se passar em outra cidade conseguirá cursar ? Quais os possíveis empregos existentes no mercado ? Como você imagina que será a rotina do seu futuro trabalho? 

9 - Há também os que começam um curso e depois veem que não era exatamente aquilo que esperavam? Ter coragem para recomeçar é importante? 

Recomeçar é dar a si mesmo uma oportunidade. Portanto se a decisão é ponderada e bem dialogada, uma mudança de curso pode ser muito benéfica. O que deve-se questionar é sobre as expectativas. O que se esperar de um futuro profissional? Uma boa consulta em feira de profissões, sites confiáveis ou com estudantes e profissionais da área pode ajudar no melhor entendimento das profissões.

10 - Ter momentos de lazer e de intervalo durante a rotina de estudos também é importante? Por quê?

Atividades que possibilitam aliviar tensões e que atuam na prevenção e promoção da saúde são tão importantes quanto estudar o conteúdo do programa. O lazer é pessoal e a decisão de fazê-lo deve ser da pessoa que vivencia a rotina de estudo. Também é interessante respeitar corpo e mente de acordo com ações satisfatórias. Por exemplo:  para o lazer uma pessoa pode ter prazer em ir à praia, enquanto outra prefere dormir ou até mesmo malhar ou ver amigos e comer brigadeiro.

Legenda: Quadro de Dicas
Foto: Divulgação

Apoio:

 

Quero receber conteúdos exclusivos do EducaLab