Economia

Comércio espera melhora na eficiência dos serviços

Para Severino Neto, a concessão do aeroporto é positiva à medida que atrai mais turistas, possibilita a criação de um centro comercial mais significativo e pode melhorar a política de cargas ( Foto: Waleska Santiago )
00:00 · 20.05.2017 / atualizado às 03:21

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Fortaleza, Severino Neto, disse acreditar "plenamente" na estratégia das concessões de equipamentos públicos à iniciativa privada como uma boa alternativa para o País. "Não só como empresário, mas por acreditar na eficiência da qualidade promovida pela concorrência, por esse tipo de operação, que faz com que se busque a eficiência da operação", aponta.

LEIA MAIS

Concessões são apostas para uma nova era de investimentos

Estado amplia atratividade mesmo em cenário adverso

Aceleração do modelo deverá reduzir custos e gerar emprego

Infográfico: Veja lista de ativos no Ceará

Parceria com Roterdã deve ser formalizada até o fim do ano

Cagece pode passar a outras mãos em 2018

Iniciativa privada torna-se parceira em vários setores

Prefeitura vai lançar plano e quer mais competitividade

Fraport revela que já existe forte interesse em projetos

Setor produtivo vê benefícios para retomada do crescimento

Comércio espera melhora na eficiência dos serviços

O presidente critica ainda a qualidade dos serviços e obras que são disponibilizados pelo poder público à população. Para o representante comerciário, conceder e privatizar ativos públicos com bom potencial econômico é a solução para obter o bom funcionamento e garantir a satisfação de todos os envolvidos e usuários do serviço.

"Todo braço do governo que presta algum serviço, seja ele ao consumidor ou ao empresariado, falando em infraestrutura, fica abaixo do desejado, a exemplo do nosso Aeroporto Pinto Martins. Então, estamos muito esperançosos que essa conta reverta com esse movimento que o governo tem promovido", destaca Severino.

Melhoras imediatas

Para ele, as mudanças serão percebidas em pouco tempo. "Pelo curto prazo, acontecendo essas privatizações, teremos melhores serviços e melhores preços. A expectativa é que nosso aeroporto já melhore de imediato, com uma gestão mais profissionalizada. O varejo, no caso específico do aeroporto, é impactado de três formas. Primeiro, acreditamos que o aeroporto é uma peça fundamental para atrair mais turistas e elevar venda e consumo, e o varejo é beneficiado direto em cima disso. Segundo, acredito que o aeroporto possa ser uma boa praça, um bom shopping, funcionando com a quantidade de pessoas que ali passam. E terceiro, a gente espera que mude a política de cargas, que seja mais profissionalizada e eficiente. E que venham outros investimentos", exalta Severino.

Turismo

Já o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis no Ceará (ABIH-CE), Eliseu Barros, aponta que as concessões podem ajudar a fomentar o turismo no Estado. "Tivemos muita sorte com o aeroporto, que foi a um grupo com muita expertise. Se tivermos a mesma sorte com o Centro de Eventos, por exemplo, o impacto para o turismo será muito grande", destaca, ressaltando que a mesma lógica segue para outros equipamentos públicos, tais como o Acquario.

Para Barros, já que o poder público não tem recursos para investir, a parceria com a iniciativa privada é positiva. Para ele, uma equipe agressiva de vendas pode alavancar o Centro de Eventos nacionalmente e até internacionalmente. "O mais difícil, que é a infraestrutura, nós já temos. O que falta é uma equipe de vendas e uma empresa que o administre da mesma forma que os grandes centros do mundo", explica o presidente.

Expectativas

"A nossa expectativa é que o Aeroporto de Fortaleza já melhore de imediato, com uma gestão mais profissionalizada"

Severino Neto
Presidente da CDL Fortaleza

Economia

"Tivemos sorte com o aeroporto. Se tivermos também com os outros, o impacto para o turismo será muito grande"

Eliseu Barros
Presidente da ABIH-CE

Economia

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.