Ministério da Saúde orienta intervalo de 120 dias entre doses da vacina da Pfizer

Imunizante será utilizado para vacinação do grupo prioritário 3 nas capitais

Frasco da vacina original contra a Covid-19 produzida pela Pfizer-BioNTech
Legenda: O laboratório norte-americano afirma que pessoas a partir de 16 anos podem ser imunizadas com o composto
Foto: Shutterstock

O Ministério da Saúde divulgou, nesta segunda-feira (3), o início da distribuição  da vacina da Covid-19 produzida pela Pfizer/BioNTech e orientou que municípios brasileiros adotem o intervalo de 120 dias entre as aplicações da primeira e da segunda dose. O prazo é quase seis vezes maior que o recomendado pela farmacêutica, que indica 21 dias.   

A decisão de aplicar um intervalo maior, segundo o Ministério da Saúde, é baseado em um estudo feito no Reino Unido que decidiu dar um maior espaço entre as doses no início da campanha de vacinação, devido a doses serem poucas. 

"Com base nesses dados o “Joint Commiee on Vaccinaon and Immunisaon” (JCVI), entidade assessora em imunizações do Reino Unido, orientou que o intervalo entre a primeira e a segunda dose desta vacina fosse ampliado para até 12 semanas. Esta recomendação considerou que a vacinação do maior número possível de pessoas com a primeira dose traria maiores benefícios do ponto de vista de saúde pública, considerando a necessidade de uma resposta rápida frente a pandemia de covid-19", diz o órgão em informe técnico.

No documento, a Pasta pontua ainda que irá monitorar os dados epidemiológicos e de efetividade do imunizante e afirma que "a presente recomendação poderá ser revista caso necessário. Ainda, em cenários de maior disponibilidade do imunobiológico, o intervalo recomendado em bula poderá ser utilizado". 

Distribuição 

Devido às características de armazenamento, a recomendação  do Ministério da Saúde é de que a vacina seja aplicada somente nas capitais. Conforme a Pasta, as doses da vacina são armazenadas a uma temperatura de -90°C a -60°C no Centro de Distribuição do Ministério da Saúde, em Guarulhos. Ao serem enviadas aos estados, os imunizantes ficam expostos à temperatura de -20°C. Nas salas de vacinação, onde a refrigeração é de +2 a +8°C, as doses precisam ser aplicadas em até cinco dias.  

"Em função disso, o Ministério da Saúde orienta que, agora, a vacinação com o imunizante da Pfizer seja realizada apenas em unidades de saúde das 27 Capitais brasileiras, de forma a evitar prejuízos na vacinação e garantir o esquema vacinal de 12 semanas entre uma dose e outra", declarou o MS.   

Segundo a Pfizer, o imunizante pode ser aplicado em pessoas a partir de 16 anos, em duas doses, com intervalo de 21 dias entre elas. Os resultados dos estudos de fase 3 da vacina, envolvendo mais de 44 mil voluntários e já publicados em revista científica qualificada, mostraram que globalmente a eficácia contra a Covid-19 é de 95%.  

No total, o Brasil recebeu 1 milhão de doses da Pfizer na última quinta-feira (29). Segundo o MS, nesta remessa, estão sendo enviadas 499,5 mil doses para a primeira aplicação, divididas de forma proporcional e igualitária entre todos os estados e Distrito Federal. As doses para a segunda aplicação serão distribuídas nas próximas semanas. 

O primeiro lote da vacina é advindo da Bélgica e é a primeira entrega do contrato de 100 milhões de doses realizado pelo Ministério da Saúde em março deste ano.  

Público-alvo do imunizante 

A vacina contra a Covid-19 produzida pela farmacêutica norte-americana está sendo destinada para imunização de pessoas que integram a terceira fase do Plano Nacional de Imunização (PNI), conforme estabeleceu a Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS). O grupo é formado por:    

  • pessoas com comorbidades;
  • gestantes; 
  • puérperas; 
  • pessoas com deficiência permanente. 

A comprovação das comorbidades pode ser realizada com exames, receitas, relatório ou prescrição médica, entre outros.   

Vacinas da Pfizer no Ceará   

As primeiras doses da vacina contra o novo coronavírus produzidas pela farmacêutica norte-americana chegam ao território cearenses nesta segunda-feira (3), segundo anunciou o governador Camilo Santana.    

O voo, previsto para chegar às 15h35 em Fortaleza, irá trazer 17,5 mil doses da vacina da Pfizer, além de 255,7 mil do imunizante da AstraZeneca.  

 A previsão inicial era que o Estado recebesse apenas metade do lote da Pfizer nesta segunda.   

Segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), as doses da Pfizer serão aplicadas somente em Fortaleza, devido às necessidades logísticas específicas, que exigem refrigeradores com baixíssimas temperaturas. A organização afirma que segue recomendação do Ministério da Saúde. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil