Pior fase da pandemia de Covid pode estar chegando ao fim na Europa, diz OMS

Variante Ômicron respondeu por 31,8% de novos casos de Covid-19 no continente na última semana

Teste rápido de Covid
Legenda: OMS estima que variante Ômicron do coronavírus pode levar ao fim da "fase de emergência" da pandemia
Foto: Shutterstock

O braço da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Europa expressou confiança, nesta segunda-feira (24), de que a variante Ômicron do coronavírus pode levar ao fim da "fase de emergência" da crise sanitária, embora seja mais transmissível que cepas anteriores.

"A pandemia está longe de terminar, mas espero que possamos encerrar a fase de emergência em 2022 e abordar outras ameaças à saúde que exigem nossa atenção urgentemente", afirmou o diretor da OMS para o continente europeu, Hans Henri P. Kluge.

Segundo a nota, a Ômicron respondeu por 31,8% de novos casos de Covid-19 na região na última semana, um avanço em relação aos 15% do período anterior.

Para acabar com a fase aguda da pandemia, os países não devem ficar de braços cruzados e são obrigados a lutar contra a desigualdade na vacinação, vigiar o vírus e suas variantes e aplicar restrições adaptadas, explicou o especialista, na abertura do comitê executivo da OMS, que se reúne toda semana em Genebra.

Metade dos 194 estados-membros da OMS não alcançaram o objetivo de chegar a 40% da população vacinada no fim de 2021, segundo a instituição.

Aumento das internações

"Embora a Ômicron pareça causar doenças muito menos graves que a Delta, ainda estamos vendo um rápido aumento nas hospitalizações, devido ao grande número de infecções", explica.

Kluge acrescentou que considera muito provável a emergência de novas variantes, mas reforçou que os governos devem conseguir evitar a imposição de medidas restritivas duras.

"É verdade que viveremos com a Covid (...), mas aprender a viver com ela não deve significar que temos que deixar o caminho livre. Não deve significar que temos que aceitar que 50 mil pessoas morram toda semana devido a uma doença que podemos prevenir e nos recuperar", disse.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo