Inglaterra entrará no maior bloqueio contra a Covid-19 desde março

Todos os alunos passarão a estudar no ensino remoto até meados de fevereiro, segundo informou Boris Johnson

Legenda: Boris Johnson
Foto: Alberto Pezzali / POOL / AFP

O primeiro-ministro Boris Johnson anunciou, nesta segunda-feira (4), que a Inglaterra entrará no bloqueio nacional mais difícil desde março. Por, pelo menos, seis semanas, o país estará com escolas fechadas e pessoas autorizadas a sair de casa uma vez por dia para se exercitar. O número de pessoas hospitalizadas atinge novos máximos no país. A informação é do jornal The Guardian.

A intenção do novo lockdown é tentar conter a disseminação da nova variante do coronavírus, uma cepa mais transmissível do vírus. 

Todos os alunos passarão a estudar no ensino remoto até o meados de fevereiro, segundo informou Boris Johnson em um discurso à nação, e os exames GCSE e A-level provavelmente não seguirão conforme planejado. Todas as lojas não essenciais serão fechadas.

Moradores da Inglaterra serão obrigados a ficar em casa até pelo menos 15 de fevereiro e aconselhados a sair apenas uma vez por dia para se exercitar. Ainda segundo o The Guardian, espera-se que os parlamentares votem as novas medidas em lei na quarta-feira, embora as empresas sejam aconselhadas a fechar na noite de segunda-feira.

No país, as pessoas agora só precisam sair de casa para trabalhar - e somente se for impossível trabalhar em casa - e para obter alimentos e remédios essenciais. O exercício com outra pessoa de uma família diferente é permitido, mas o conselho é permanecer local e limitar a atividade a uma vez por dia.

Também é aconselhado que, para a população sair de casa, deverão limitar-se a procurar cuidados médicos, fugir da ameaça de perigo ou providenciar cuidados essenciais.

As escolas primárias, secundárias e faculdades serão fechadas, exceto para os filhos de trabalhadores-chave e crianças vulneráveis. Creches, provisões alternativas e escolas especiais permanecerão abertas e as regras existentes para bolhas de apoio a creches serão aplicadas.

Alunos não poderão retornar à universidade e deverão estudar on-line em sua residência atual até fevereiro. O ensino presencial pode ocorrer para um número limitado de cursos essenciais, como medicina.

Lojas e hotéis não essenciais devem permanecer fechados ou fechados. Restaurantes e outras instalações podem continuar a entrega.

Os locais de culto podem permanecer abertos, incluindo a oferta de culto comunitário - sujeito ao distanciamento social - assim como os playgrounds, mas as instalações esportivas ao ar livre, quadras de tênis e campos de golfe devem fechar. Esportes coletivos ao ar livre não serão permitidos, mas os esportes profissionais, incluindo a Premier League, podem continuar.

Escócia

A Escócia também estabeleceu quarentena total a partir desta segunda-feira (4). A primeira-ministra, Nicola Sturgeon, afirmou que a nova variante da Covid-19 responde por quase metade dos novos casos no país e anunciou que a população será obrigada a ficar em casa em janeiro a partir de meia-noite, sendo autorizada apenas a sair por motivos considerados essenciais.

Todas as escolas serão fechadas, com exceção dos filhos dos trabalhadores considerados essenciais e das crianças com necessidades especiais. Restaurantes e bares já haviam sido fechados anteriormente, podendo apenas fazer entregas.

"Estou mais preocupada com a situação que enfrentamos agora do que em qualquer momento desde março", disse Sturgeon ao parlamento escocês. Como resultado dessa nova variante, o vírus aprendeu a se disseminar muito mais rápido e definitivamente acelerou nas últimas semanas.

 

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo