Bahia identifica primeira morte de infectado com a variante Delta do coronavírus

Homem de 43 anos residia em Niterói (RJ) e estava a bordo de um navio dos Estados Unidos ancorado na Bahia

Sequenciamento genético no Lacen-BA
Legenda: Três amostras da variante indiana da Covid-19 (Delta) e uma sul-africana (Beta) foram identificadas na Bahia pelo Laboratório Central de Saúde Pública da Bahia (Lacen-BA), através de sequenciamento genético
Foto: Divulgação Sesab

A Bahia identificou a primeira morte de paciente infectado com a variante Delta do coronavírus. Trata-se de uma das três pessoas diagnosticadas com a mutação no Estado - um residente de Niterói, no Rio de Janeiro, de 43 anos, que estava a bordo de um navio dos Estados Unidos ancorado na Bahia. As informações são do portal Correio 24 horas.

As três contaminações com a variante foram anunciadas nesta quinta-feira (26) pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab). Os casos, no entanto, foram detectados há mais de 30 dias. O navio não está mais na Bahia.

Tripulante apresentou sintomas

O tripulante contaminado apresentou sintomas no dia 15 de julho e morreu em 14 de agosto. Não há informação se ele estava vacinado.

Os outros dois infectados são moradores de Feira de Santana e de Vereda, e não estão vacinados. Ambos apresentaram sintomas em julho, mas não precisaram de internação.

Apesar de ter ocorrido monitoramento dos órgãos de saúde, a secretária estadual da Saúde em exercício, Tereza Paim, explica que a transmissão da Delta já é considerada comunitária na Bahia, já que não se sabe quem levou a variante aos municípios.

Variante Beta

A Sesab confirmou, também, um caso da variante sul-africana (Beta) na Bahia. Em virtude dos novos registros, o governador Rui Costa se reuniu com técnicos da Secretaria e propôs o início imediato da terceira dose em todos os municípios que já alcançaram a faixa etária de 18 anos.

Segundo Tereza Paim, 281 municípios se enquadram nesta característica, sendo que a imunização deverá ser feita, preferencialmente, com uma dose da Pfizer. A dose de reforço está estimada a um público acima de 950 mil baianos.