Doença celíaca: o que é, quais os sintomas e como tratá-la

Também chamada de "enteropatia sensível ao glúten", ela causa inflamação e lesão na superfície do intestino e altera a aborção dos nutrientes

Doença celíaca
Legenda: Quem tem o problema pode se apresentar uma diversidade de sintomas do trato intestinal
Foto: Shutterstock

A doença celíaca é uma condição imunológica caracterizada por uma reação do sistema imunológico ao glúten - proteína que está presente em alimentos como aveia, trigo, cevada, centeio e seus derivados. 

Também chamada de "enteropatia sensível ao glúten", ela causa inflamação e lesão na superfície do intestino e altera a absorção dos nutrientes, levando a sintomas como diarreia crônica, distensão abdominal, anemia, deficiência de ferro e vitaminas, perda de peso, osteoporose, entre outros.

Predisposição genética

De acordo com a médica endocrinologista Ana Flávia Torquato, existe predisposição genética para o desenvolvimento da doença celíaca, e quem tem um membro na família com a enfermidade tem um risco maior de tê-la também.

"A doença celíaca também é mais comum em pessoas com síndrome de Down e síndrome de Turner ou doenças imunológicas, como diabetes tipo 1, hipotireoidismo ou Doença de Addison", diz.

"No caso, o especialista poderá solicitar um teste genético pesquisando fatores de risco para doença celíaca e avaliar se a pessoa pode desenvolvê-la".

Como funciona o corpo de quem tem o problema

O corpo de quem tem exposição crônica ao glúten não tem uma enzina responsável por quebrá-lo. Desta forma, como a proteína não é processada da forma correta, o sistema imunológico reage ao acúmulo e ataca a mucosa do intestino delgado, danifica a camada de revestimento dele, causando má absorção de nutrientes, sais minerais e água.

Ana Flávia Torquato afirma que a doença celíaca pode se apresentar com uma diversidade de sintomas do trato intestinal, além dos gerais já mencionados acima. Quem tem a condição imunológica pode apresentar também:

  • Fadiga
  • Dor de cabeça
  • Dor abdominal
  • Distensão
  • Gases
  • Constipação
  • Anemia
  • Osteoporose
  • Dermatite
  • Dor nas articulações

Doença celíaca nas crianças
Legenda: A condição autoimune pode se apresentar ainda na infância
Foto: Shutterstock

Doença celíaca nas crianças

A endocrinologista chama atenção para a doença celíaca nas crianças. O problema pode levar ao atraso do crescimento e no desenvolvimento delas.

Segundo a médica, a condição imunológica pode surgir na infância, como também na fase adulta. "Deve ser investigada em pessoas de qualquer idade se houver suspeita clínica", pontua.

Doença celíaca x intolerância ao glúten

Vale salientar que doença celíaca difere de sensibilidade ou intolerância ao glúten. Quem tem esta última pode ter sintomas parecidos com os da primeira, como cansaço e dores abdominais. 

Entretanto, ao contrário da doença celíaca, a sensibilidade ou intolerância ao glúten não gera a inflamação do intestino delgado, nem danifica a camada de revestimento dele. Também não tem relação com o sistema imunológico da pessoa.

"A sensibilidade ao glúten, uma condição mais difícil de diagnosticar, pois não tem causa bem definida e a endoscopia digestiva não mostra danos no intestino delgado. Ela é caracterizada por sintomas no trato intestinal, como diarreia, distensão, e dor, ao comer alimentos contendo a proteína", ressalta a endocrinologista.

Já a alergia ao glúten, expõe, é semelhante a outras alergias alimentares. Nela, acontece uma reação aguda logo após a pessoa entrar em contato com o glúten, incluindo vermelhidão na pele, prurido, inchaço, etc. 

Doença celíaca
Legenda: Depois do diagnóstico, pacientes devem ser acompanhados por especialistas
Foto: Shutterstock

Diagnóstico

Conforme Ana Flávia Torquato, o diagnóstico para a doença celíaca é realizado por meio de exame de sangue e endoscopia digestiva com biópsia do intestino delgado, que são padrões para atestar ou não se a pessoa tem o problema. Ele destaca a importância de fazer um acompanhamento com gastroenterologista e nutricionista.

Tratamento

Já o tratamento, explica a médica, consiste em exclusão do glúten da dieta e reposição de deficiências. Ela ressalta que com a proteína totalmente fora da dieta do paciente, "a inflamação vai melhorando, o intestino delgado se recupera, e a doença celíaca fica bem controlada".

Principais complicações

  • Desnutrição
  • Anemia
  • Perda de peso
  • Osteoporose
  • Aumento do risco de fraturas ósseas
  • Infertilidade
  • Intolerância à lactose

"Ao longo prazo, se não controlada, pode aumentar a predisposição ao câncer intestinal, como o linfoma intestinal".

A doutora Ana Flávia Torquato é médica endocrinologista, graduada em Medicina e mestre em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Trabalha no Hospital Universitário Walter Cantídio, da UFC, onde atua principalmente em obesidade, diabetes e metabolismo ósseo.


Assuntos Relacionados