Sistemas penitenciário e socioeducativo do Ceará acumulam 2,3 mil casos e seis mortes por Covid-19

Conforme dados do CNJ, números de presos e de adolescentes apreendidos infectados pelo novo coronavírus aumentaram mais de 10% em um mês

sap
Legenda: A SAP afirmou, atualmente, 23 detentos estão infectados com Covid-19
Foto: Natinho Rodrigues

Em oito meses e meio de pandemia da Covid-19, os sistemas penitenciário e socioeducativo do Ceará acumulam 2.303 casos da doença, conforme dados divulgados pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ontem. Entre pessoas custodiadas e servidores, seis infectados morreram, neste período.

O boletim semanal do CNJ, com dados colhidos no último dia 30 de novembro, detalha que os presídios cearenses já tiveram 1.342 presos que testaram positivo para Covid-19. Há pouco mais de um mês, em 26 de outubro, o número era de 1.188 casos, o que significa um aumento de 12,9%. O número de mortes entre os detentos, em novembro, não se alterou: quatro.

Já entre os servidores do sistema penitenciário, em um mês, o número de confirmações de infectados pelo vírus aumentou de 612 para 640, o que representa um acréscimo de 4,5%. Também não foi registrada nenhuma morte entre os funcionários no mês passado, mas antes já havia um caso fatal.

A Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) acrescenta que, atualmente, 23 detentos estão infectados com Covid-19, todos com quadro leve. E que a população carcerária é de 22.695 internos, o que significa que 5,9% do total foram infectados. Entre o efetivo de 3.600 policiais penais, 531 contraíram a doença, ou seja, 14,7%, segundo a Pasta.

Ao total, entre servidores e internos, a SAP realizou 13.829 testes, até o dia 30 de novembro, segundo o CNJ. O aumento de testes, em um mês, foi de 21,6%, já que o boletim de 26 de outubro tinha registrado 11.371 exames.

O presidente do Conselho Penitenciário do Ceará (Copen), advogado Cláudio Justa, analisa que "esses números revelam um êxito no combate à pandemia". "Alguns aspectos devem ser considerados. No sistema penitenciário, a grande maioria dos indivíduos está fora dos grupos de risco (para a doença). Aliado a isso, a precocidade da adoção dos protocolos sanitários. E a testagem ampla e precoce, que permitiu fazer um isolamento eficaz, mesmo com escassez de espaço", analisa.

A SAP reforçou, em nota, a aplicação do Plano de Ação Contra o Coronavírus, desde março deste ano, que também proporcionou treinamento aos agentes de saúde e policiais penais; distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e materiais de higiene; suspensão das visitas sociais; ampliação do tempo de banho de sol dos detentos; entre outras medidas.

Adolescentes

No sistema socioeducativo cearense, segundo dados do CNJ, o número de casos de Covid-19 em adolescentes apreendidos saltou 14,4% em um mês, ao sair de 83 registros, em 26 de outubro deste ano, para 95, em 30 de novembro. Nenhum jovem custodiado morreu pela doença.

Entre os servidores, o crescimento do contágio pelo vírus foi ainda menor, de apenas 1,3%, ao variar de 223 confirmações para 226. Um servidor morreu, antes do fim de outubro. A Superintendência do Sistema Estadual de Atendimento Socioeducativo (Seas) realizou 1.025 testes de Covid-19 até o fim de novembro, acréscimo de 5,5% em um mês, quando tinham sido feitos 971 exames.

A Seas informou, em nota, que "está adotando todas as medidas de prevenção contra o coronavírus nos Centros Socioeducativos do Estado, de acordo com as orientações passadas pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), inclusive com testagem em seus servidores, terceirizados e internos para antecipar casos suspeitos, promover um tratamento entre casos confirmados e prevenir a disseminação do coronavírus nos Centros Socioeducativos. Afirmou ainda que "vem trabalhando continuamente em interlocução direta com a Sesa para garantir a integridade da saúde dos adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, bem como dos profissionais que trabalham na instituição".

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança