Sexto suspeito de morte de policial em Cascavel é preso no Rio Grande do Norte

Foragido estava na em Apodi (RN). Outro homem foi preso durante ação, que teve apoio da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS)

Escrito por Redação,

Segurança
coletiva da Polícia/coletiva pm Cascavel
Legenda: As investigações da Polícia concluíram que Ramon Victor foi um dos que atiraram contra a vítima, que estava a caminho de um conhecido em Cascavel.
Foto: Leábem Monteiro

A Polícia Civil do Ceará (PCCE) prendeu, na madrugada desta quarta-feira (10), o sexto suspeito de participar da morte de um policial em Cascavel no mês de janeiro. Os detalhes da prisão, que teve apoio da Coordenadoria de Inteligência da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), foram divulgados em coletiva de imprensa na manhã desta quarta.

O foragido, identificado como Ramon Victor Carvalho Rezende, também conhecido como 'Acerola', de 20 anos, foi localizado em uma casa em Apodi, no Rio Grande do Norte, com o uso de inteligência artificial. "Não há criminoso que não possa ser identificado ou localizado", ressaltou Nelson Pimentel, coordenador da Inteligência da SSPDS, acrescentando que o suspeito chegou à casa recentemente para fugir das buscas.

Com o suspeito, estava José Arnilson Nogueira da Silva, que respondia por um roubo em Itarema. Uma mulher não identificada também estava no local, mas não há informações de envolvimento dela na ação criminosa.

As investigações da Polícia concluíram que Ramon Victor foi um dos que atiraram contra a vítima, que estava a caminho de um conhecido em Cascavel. O PM foi morto no próprio veículo.

Os suspeitos alegaram desconhecer o fato de que a vítima se tratava de um policial — eles supuseram que Cícero era integrante de uma facção criminosa, afirma a delegada Cláudia Guia, titular do 11º Distrito Policial do DHPP. O veículo da vítima chamou atenção do grupo, pois não era um carro conhecido na localidade.

Cláudia Guia complementa que, durante as investigações, "ficou patente que se tratava de um crime de homicídio, e não de latrocínio". Na ação, foram levados celular e dinheiro da vítima.

Como foi o caso

O cabo Cícero Marcos Viana do Santos, 38 anos, morreu no dia 29 de janeiro em Cascavel. Ele trafegava em um carro pela localidade de Guanacés, quando foi surpreendido por homens em motocicletas. De acordo com a SSPDS, os suspeitos dispararam tiros contra o agente, que chegou a revidar e atingir um dos criminosos. Cícero, entretanto, foi baleado e morreu no local.

Os cinco primeiros suspeitos foram presos no dia 30 de janeiro, no mesmo município em que o crime ocorreu.

Prisões e autuações 

Também foram presos, em ordem: Rosenildo de Carvalho Lima, 44 anos, com passagem por roubo e por desobediência; Francisco Diego Batista Pereira, 26 anos, com antecedentes criminais por posse irregular e porte ilegal de arma de fogo, tentativa de roubo, receptação e tráfico de drogas; Francisco Luan de Menezes, 25 anos, com passagem por dano; Felipe Monteiro de Sousa, 28 anos, com antecedentes por homicídio consumado, homicídio tentado, corrupção de menores e posse irregular de arma de fogo; João Inácio da Costa Rodrigues, 29 anos, com antecedente por posse irregular de arma de fogo.

Francisco Diego, atingido pelo PM, foi socorrido pelos próprios comparsas após a ocorrência. Ele se encontra sob escolta policial no Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza.

Quatro dos suspeitos foram autuados no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoas (DHPP) pelo homicídio do policial militar, exceto Luan, já que inicialmente não foram encontrados indícios de participação dele no crime. Mas, por ser integrante do mesmo grupo, ele e os demais foram autuados por integrar organização criminosa.