Polícia aguarda laudo da reconstituição do 'Caso Jamile' e quer mais prazo para concluir inquérito

Jamile foi vítima de um disparo de arma de fogo no dia 29 de agosto de 2019. O principal suspeito do caso é Aldemir Pessoa Júnior, namorado da empresária

Legenda: Amigos e familiares da empresária afirmam que ela e o namorado viviam relacionamento conturbado

A conclusão do inquérito sobre o 'Caso Jamile' deve ser adiada novamente. Nesta terça-feira (3), o Sistema Verdes Mares apurou que a delegada titular do 2º Distrito Policial, Socorro Portela, prepara pedido de prorrogação do prazo para mais 45 dias. O pedido é motivado pela falta do recebimento do laudo da reprodução simulada.

Conforme uma fonte ligada à investigação, a Polícia Civil do Ceará ainda não teve acesso ao laudo da reconstituição do fato do suposto crime que vitimou Jamile de Oliveira Correia. A reprodução simulada aconteceu no dia 31 de outubro de 2019, e o laudo estava previsto para ser entregue em até 30 dias.

Por nota, a Perícia Forense do Ceará (Pefoce), informou que está em fase final de elaboração do laudo da reprodução simulada e "ao ser concluído, o laudo será encaminhado para a Polícia Civil, que investiga o caso".

Investigação

A empresária Jamile de Oliveira Correia morreu no dia 31 de agosto de 2019, após ser atingida por um disparo fatal. Para a Polícia Civil, o principal suspeito pela morte é o advogado e namorado da vítima, Aldemir Pessoa Júnior.

Na data da reconstituição, Aldemir não compareceu ao local do suposto crime. O advogado de acusação, Flávio Jacinto, que representa a família da vítima, considerou a ausência dele como desrespeito à apuração dos fatos. Em entrevistas concedidas ao Sistema Verdes Mares, Aldemir Pessoa Júnior reiterou que não cometeu crime, e sim, segundo ele, Jamile teria praticado suicídio.
 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança