PF cumpre mandados em ação contra candidata a deputada que recebeu R$ 274 mil de repasses no Ceará

A investigada se candidatou a deputada estadual nas eleições de 2018

A Polícia Federal (PF) cumpriu oito mandados de busca e apreensão na manhã desta segunda-feira (14), em Fortaleza, durante uma ação que investiga supostas fraudes na campanha eleitoral de uma candidata a deputada estadual pelo Partido Republicano da Ordem Social (Pros) no Ceará. Conforme a PF, nas eleições de 2018, a então candidata recebeu repasse de R$ 274 mil do Fundo Eleitoral, mas só obteve 47 votos no pleito.

Procurado, o partido, comandado pelo deputado federal Capitão Wagner, homologado como candidato a prefeito de Fortaleza, disse que vai se pronunciar sobre o assunto, mas até o fechamento desta reportagem, o posicionamento da sigla não havia chegado. 

O valor, segundo a PF, seria superior a outros candidatos da mesma agremiação partidária que lograram êxito no referido pleito eleitoral. As ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Eleitoral do Ceará e um inquérito policial foi instaurado. 

Os mandados de busca e apreensão ocorreram por meio da Operação Spectrum, que apura possível desvio de recursos do Fundo Eleitoral nas eleições de 2018 no Ceará.

Segundo a PF, os mandados foram cumpridos na sede estadual do partido político, em um escritório de contabilidade, em uma empresa gráfica, em um posto de gasolina e nas residências da investigada e dos proprietários das empresas.

Esse e outros casos de supostas candidaturas laranjas foram denunciados pelo Diário do Nordeste após as Eleições de 2018. Em junho deste ano, a Polícia Federal havia deflagrado outra operação contra uma candidatura do PSL no Ceará

Investigações

Conforme a PF, a candidata alvo da operação foi contemplada com apenas 47 votos ao custo de R$ 5.844,50, cada, representando cerca de 547,65% a mais que o custo médio do voto de todos os candidatos da mesma agremiação partidária da qual faz parte. 

Caso seja confirmado, os fatos podem ser configurados como o crime t. 354-A do Código Eleitoral, que comina aos infratores pena de reclusão de dois a seis anos e multa. 

Os dados de doações e despesas dos candidatos estão abertos ao público em geral e podem ser acessados por meio do endereço eletrônico http://divulgacandcontas.tse.jus.br, mantido pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança