Motoristas de aplicativo protestam em Fortaleza após morte de colega e pedem segurança

A manifestação ocorre após o assassinato do motorista de aplicativo Alexandre Fernandes, de 32 anos, que foi encontrado morto na noite desta quarta-feira (12) às margens da BR-116

Legenda: Motorista de aplicativo fazem carreata e pedem segurança após morte de colega na Grande Fortaleza.
Foto: Marina Alves/SVM

Motoristas de aplicativo organizaram um protesto na tarde desta quinta-feira (13) para reivindicar por mais segurança no serviço de transporte de passageiros. Em carreata, eles saíram das proximidades da Arena Castelão, em Fortaleza, por volta das 15h, com destino ao Palácio da Abolição, no bairro Meireles.

Somente este ano, em Fortaleza e na Região Metropolitana, 11 motoristas de aplicativo foram mortos enquanto trabalhavam, segundo a Associação de Motoristas de Aplicativo (Amap).

A manifestação ocorre após o assassinato do motorista de aplicativo Alexandre Fernandes, de 32 anos, que estava desaparecido desde segunda-feira (10) e foi encontrado morto na noite desta quarta-feira (12) às margens da BR-116, entre Itaitinga e Aquiraz, na Região Metropolitana de Fortaleza. 

O corpo de Alexandre foi encontrado por uma senhora em um matagal. Logo em seguida, ela acionou a polícia. A vítima estava com as mãos amarradas. O Corpo de Bombeiros foi chamado para auxiliar na remoção do corpo. O cunhado de Fernandes esteve no local do achado para o reconhecimento do corpo. 

Reunião de representates de transporte por app com delegada

Segundo a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), uma comissão com sete representantes de motoristas de transporte de passageiros por aplicativos está sendo recebida pela coordenadora de Planejamento Operacional da SSPDS, delegada Adriana Arruda, na noite desta quinta-feira (13).

Ainda na nota, a Pasta também informou que os profissionais de segurança já haviam intensificado as abordagens aos veículos que são identificados como oriundos de aplicativo e que estejam transportando pessoas. "A pasta ressalta que a medida funciona como uma ação preventiva para que os profissionais sigam seus trajetos de forma segura."

"A SSPDS esclarece que acompanha os casos que são registrados contra motoristas de aplicativo e mantém um diálogo constante com os representantes da classe, no intuito de traçar ações de segurança voltados aos profissionais e passageiros", finalizou a Pasta.

Em nota, a 99 informou que lamenta a morte do motorista de aplicativo Alexandre Fernandes "e esclarece que o condutor não estava em corrida pelo aplicativo no momento da ocorrência". 

A Uber, empresa que Alexandre também possuía cadastro, lamentou a morte do motorista. "Compartilhamos nossos sentimentos de mais profundo pesar com a família do Alexandre neste momento de dor."

A Uber também informou que Alexandre atuava como motorista parceiro, mas ao que tudo indica pelas informações obtidas, não estava usando a plataforma no momento do crime. "De qualquer forma, a Uber permanece à disposição dos órgãos de segurança para colaborar com as investigações, na forma da lei, e esperamos que as autoridades tragam os responsáveis à justiça o mais rápido possível."

A InDriver, onde Alexandre também possuía cadastro, lamentou a morte do colaborador e informou que a filosofia de serviço da empresa coloca a segurança de todos os usuários em primeiro lugar, tanto passageiros quanto motoristas. "Na inDriver, condenamos qualquer tipo de violência. Reiteramos ainda nosso compromisso de colaborar com as autoridades, e dar suporte à família. O inDriver busca cotidianamente os melhores e mais modernos formatos de segurança para seus usuários, sejam motoristas ou passageiros".

Protestos por segurança

Presente na manifestação, o motorista de aplicativo Wendel Oliveira, que já trabalha há dois anos no setor, relatou o medo que enfrenta no trabalho e que, às vezes, é preciso até recusar determinadas corridas pela insegurança. Ele também conta que a filha e a esposa não permitem que ele trabalhe no período da noite, por medo.

"Eu trabalho já há dois anos como motorista de aplicativo e a minha opção foi pela falta de emprego. Trabalhava como motorista, fiquei desempregado, e pra não passar muito tempo e como a gente tem as coisas de dentro de casa, tive que pegar o meu carro e trabalhar. E o perigo é constante. Toda corrida que a gente pega é com o suspense daquela pessoa", relata Oliveira.

Roupa do corpo roubada em assalto

O motorista Erick Milton, que também esteve na carreata, relatou durante entrevista que já foi vítima de violência enquanto trabalhava. Ele conta que em uma das vezes chegaram a roubar até mesmo a roupa que ele vestia.

"Eu peguei uma passageira lá na Praia de Iracema para levar para o (bairro) Pici, onde era o final da corrida, e antes de chegar no local, a própria passageira estava com uma criança de colo e armada. Ela colocou a arma na minha cabeça e na hora que ela pediu pra eu parar o carro, chegaram dois caras. Eles levaram todos os meus pertences, inclusive a roupa do corpo, sapato, boné, até brinquedo dos meus filhos que tinha dentro do carro eles levaram", conta.

Você tem interesse em receber mais conteúdo de segurança?