Mais de 60% dos homicídios registrados em fevereiro no CE ocorreram durante motim de PMs

Foram contabilizadas 312 mortes violentas ao longo dos 13 dias de paralisação no Estado, conforme dados consolidados e divulgados pela SSPDS

Legenda: Durante os dias de motim, policiais militares esvaziaram pneus de viaturas e ocuparam batalhões em Fortaleza e no interior
Foto: Foto: Kid Júnior

O Ceará registrou 312 mortes mortes violentas durante o motim realizado por parte de policiais militares, entre os dias 19 de fevereiro e 1º de março.

Conforme a Pasta, as mortes violentas que ocorreram entre os dias 19 e 29 do mês passado correspondem a 63,4% de todos os assassinatos de fevereiro. O motim foi encerrado somente no dia 1º de março, quando foram registradas mais 23 mortes.

Os números oficiais sobre o índice de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) registrados no mês de fevereiro de 2020 foram consolidados pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e divulgados somente nesta sexta-feira (6) . 

Em relaçao ao mês de fevereiro de 2020, como um todo, houve um aumento de 178% nos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) quando comparado com igual mês do ano passado.

Neste ano, foram registrados 456 homicídios (dolosos/feminicídios, latrocínios e nas lesões corporais seguidas de morte) no período contra 164 de fevereiro de 2019, fechando 292 mortes a mais do que o registrado em 2019.

Escalada da violência

O motim repercutiu nos índices de mortes violentas em todas as regiões do Ceará. A Região Metropolitana de Fortaleza, por sua vez, puxou o crescimento de CVLI no Estado. Nos municípios da região, o número de mortes saltou de 40, em fevereiro de 2019, para 150 em igual período deste ano, com uma variação de 275%.

O aumento é seguido pelo Interior Sul, com 107 casos em 2020 contra 38 de 2019, um aumento de 181,6%. A Capital cearense vem em seguida, com uma variação de 164,8% entre os meses de fevereiro de 2019 e 2020, saindo de 54 casos no ano anterior para 143 deste ano. Por fim, o Interior Norte, subiu 75% o número de CVLI, passando de 32 em 2019 para 56 em fevereiro de 2020. 

Furtos e roubos 

Os números de Furtos e Crimes Violentos contra o Patrimônio (CVP), que contabiliza os roubos, também cresceram ao longo das quase duas semanas do motim. 

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, no acumulado de fevereiro de 2020, o CVP 1, que engloba roubos a pessoa, de documentos e outros, teve um acréscimo de 95,3%. Foram 6.507 ocorrências do tipo registradas, em 2020, contra 3.331, em 2019. Ao todo, foram 3.176 roubos a mais do que no ano passado. 

Já o CVP 2, que abrange roubo de carga, com restrição de liberdade da vítima, a residência, de veículos e contra instituições financeiras, a variação foi ainda maior, com 168,3% roubos a mais do que no ano passado. Foram registrados 1.280 casos contra 477 quando se compara fevereiro de 2019 e 2020. Portanto, uma alta de 803 ocorrências. 

Os furtos também aumentaram em 15% em relação a fevereiro de 2019. Foram 4.902 casos contra 4.263 do ano anterior, uma elevação de 639 ocorrências.

Divulgação dos dados

No último dia 27 de fevereiro, a SSPDS havia divulgado uma nota, informando que não iria mais divulgar o número de homicídios ocorridos durante o motim, pois com o fim do carnaval, havia "um acúmulo de trabalho no setor de estatística", previsto para ser "normalizado nos próximos dias".

Os dados sobre assassinatos costumam ser publicados pelo órgão mensalmente, mas durante o motim passaram a ser publicados "de forma extraordinária" diariamente.

 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança