Dois PMs que tentaram matar companheiras a tiros são investigados na CGD

Controladoria abriu investigações contra mais outros 9 policiais militares, por delitos como trocar tiros com equipe policial e criticar o governador do Estado nas redes sociais

Escrito por Redação,

Segurança
As portarias da CGD foram publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) da última sexta-feira (26)
Legenda: As portarias da CGD foram publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) da última sexta-feira (26)
Foto: Fabiane de Paula

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário do Ceará (CGD) abriu investigações administrativas contra mais 11 policiais militares suspeitos de cometerem delitos. Entre eles, dois PMs que tentaram matar a tiros as próprias companheiras; um disparo atingiu fatalmente um cachorro.

As portarias foram publicadas no Diário Oficial do Estado (DOE) da última sexta-feira (26). Conforme o documento, um subtenente da Polícia Militar do Ceará (PMCE) irá responder a um Conselho de Disciplina por provocar uma confusão dentro de casa, na noite de 1º de agosto deste ano, no bairro Henrique Jorge, em Fortaleza.

O PM ameaçou a companheira e efetuou um tiro que atingiu o pé da mesma e um cachorro de estimação da família, que não resistiu. Depois, ele ainda ameaçou atirar na própria filha.

Outro subtenente cometeu crime semelhante, no bairro Jabuti, em Itaitinga, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), no dia 29 de maio deste ano, e também irá responder a um Conselho de Disciplina. O militar foi preso em flagrante após tentar atirar contra as costas da companheira. Um Inquérito Policial foi aberto na Delegacia Metropolitana de Eusébio para apurar a tentativa de feminicídio.

Investigações contra mais 9 PMs

A CGD abriu investigações administrativas-disciplinares contra mais 9 policiais militares, por suspeitas de cometerem delitos diversos, como trocar tiros com equipe policial, tentativa de homicídio e criticar o governador do Estado nas redes sociais. Confira a lista com os alvos e os motivos das investigações:

  • Soldado PM, por ser preso em flagrante por porte ilegal de arma de fogo (armado e sem a identidade funcional da Polícia Militar), no bairro Planalto Ayrton Senna, em Fortaleza, em 9 de setembro de 2020;
  • Cabo PM, por efetuar tiros em via pública, no bairro Jati, em Maracanaú, em 1º de novembro de 2020. Ele alegou que fez isso para desobstruir o trânsito e trafegar mais rápido durante o socorro ao seu pai, de 80 anos;
  • Um cabo e um soldado, por suspeita de abuso de autoridade durante abordagem  no bairro José Bonifácio, em Fortaleza, em 28 de setembro de 2020;
  • Soldado PM, por suspeita de participação no motim da categoria, em Fortaleza, em fevereiro de 2020;
  • Soldado PM, por reagir a abordagem policial e atirar contra colegas de farda, no Município de Morada Nova, em 7 de abril de 2019;
  • Cabo PM, por participar de festa armado e com sinais de embriaguez, em Morada Nova, em 4 de julho deste ano, descumprindo decreto do Estado que determinava medidas de isolamento social no combate à pandemia;
  • Soldado PM, por tentativa de homicídio a mando de um agiota colombiano, no bairro Praia de Iracema, em Fortaleza, em 19 de outubro último;
  • Cabo PM, por tecer críticas ao governador Camilo Santana na rede social Instagram, chamando-o inclusive de "criminoso".