9 a cada 10 casos de violência contra a mulher durante quarentena aconteceram dentro de casa

Do dia 23 de março até esta quinta-feira (30), o Núcleo de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher (Nudem) contabilizou 288 procedimentos

Legenda: O perfil das vítimas de violência durante a quarentena permanece sendo o mesmo já detectado em outras pesquisas da Defensoria:  mulher em idade adulta, de 36 a 45 anos, com filhos e já com histórico de agressões anteriores.
Foto: FOTO: Reprodução/Pixabay Creative Commons

É dentro da própria residência da vítima e do agressor onde mais acontecem episódios de violência contra a mulher. De acordo com pesquisa divulgada pela Defensoria Pública do Ceará nesta quinta-feira (30), durante o período de isolamento social por conta da pandemia do novo coronavírus, cerca de 90% destas ocorrências que chegaram a ser atendidas pelo órgão, aconteceram dentro de casa.

Do dia 23 de março até esta quinta-feira (30), o Núcleo de Enfrentamento à Violência Contra a Mulher (Nudem) contabilizou 288 procedimentos. Segundo a defensora pública e supervisora do Nudem, Jeritza Braga, na maior parte das ocorrências, as vítimas foram agredidas pelo cônjuge, companheiro, ex-companheiros ou ex-namorados.

O perfil das vítimas de violência durante a quarentena permanece sendo o mesmo já detectado em outras pesquisas da Defensoria:  mulher em idade adulta, de 36 a 45 anos, com filhos e já com histórico de agressões anteriores.

“É necessário que a gente pense em formas de ampliar a rede de proteção, garantindo que vizinhos ajudem, disseminar esta informação sobre a rede em postos de saúde, supermercados… A mulher que é vítima precisa deste amparo social, ainda mais agora no contexto de isolamento”, destacou Jeritza Braga.

A Defensoria Pública do Ceará divulgou que as vítimas que desejarem acolhimento podem entrar em contato por meio dos números: (85) 98971-8060 ou (85) 98579-9178 (em Fortaleza) e (88) 99975.9586 e (88) 98842.0757 (na Região do Cariri).