Voluntários doam quentinhas e água a caminhoneiros em trecho da BR-222, em Umirim

Cem produtos, entre almoço e água, foram doados na tarde desta sexta-feira.

Legenda: Doações acontecem às margens da BR-222
Foto: Arquivo Pessoal

Em meio a pandemia de coronavírus, ações de solidariedade se tornam cada vez mais frequentes e necessárias. Pensando nisso, na cidade de Umirim, a 95 km de Fortaleza, um grupo de amigos se mobilizou para doar quentinhas e água aos caminhoneiros que passavam na BR-222, no trecho que corta o Município. A ação aconteceu na tarde desta sexta-feira (3) e conseguiu distribuir 100 produtos.

Mesmo com o decreto estadual permitindo a abertura de restaurantes em trechos às margens de rodovias, os motoristas relatam dificuldade para encontrar locais funcionando ao longo do caminho no qual possam se alimentar

Solidarizados com a situação, os irmãos Ridley Andrade, Denise e David se mobilizaram para oferecer gratuitamente quentinhas e garrafas de água mineral, às margens da rodovia. “Estamos vendo a dificuldade dos caminhoneiros. Eles estão se arriscando para trazer alimentos para todos nós e não conseguem a própria alimentação. A gente viu que podia ajudar dessa forma, com a doação das quentinhas e de água mineral”, conta Ridley.



Na ação, foram doados 50 quentinhas e 50 garrafas de água mineral, produtos que custaram cerca de R$300. “Foi a gente mesmo que comprou os alimentos. Preparamos em nossa residência. Depois, convidei uns amigos para fazer a entrega com a gente”, lembra Ridley, que trabalha como vendedor em Umirim. “A parte das verduras pras comidas não foi preciso comprar porque eu vendo frutas e verduras. Já tinha tudo aqui. Já foi um gasto a menos!”.

Adesão

Juntamente com os irmãos, os amigos Luan, Assis, Rutimilla e Nailton aderiram a proposta e se concentraram às margens da rodovia para oferecer as doações. Um dos voluntários, Assis, ficou responsável por segurar um cartaz com a mensagem: “Doações de quentinhas para caminhoneiros”.

Aos poucos, as quentinhas e águas foram sendo doados aos caminhoneiros que passavam pelo trecho. “Todos agradeceram muito a gente. Muitos deles disseram que não sabiam nem onde iam comer porque não tinha nada aberto”, lembra Ridley. “A gente vai se organizar para fazer de novo na próxima semana".


Categorias Relacionadas