Fogo destrói área equivalente a cinco campos de futebol na APA Pedra da Andorinha, em Sobral

As chamas que começaram no início da tarde desta segunda-feira (19) foram controladas às 17h de terça-feira (20), segundo o Corpo de Bombeiros

Legenda: Para evitar novos focos, quatro agentes dos bombeiros, além de uma equipe de reforço com oito funcionários da Autarquia Municipal do Meio Ambiente (AMA) e um caminhão pipa estão no local nesta quarta-feira (21)
Foto: Corpo de Bombeiros

O incêndio na vegetação na Área de Preservação Ambiental (APA) Pedra da Andorinha, na Serrinha de Taperuaba, em Sobral, a 245 km de Fortaleza, destruiu uma área correspondente a cinco campos de futebol, segundo o Corpo de Bombeiros. O major Mardens Vasconcelos, da 1ª Companhia de Bombeiros, afirmou ao Sistema Verdes Mares que as chamas foram controladas por volta das 17h de terça-feira e destruíram cerca de cinco hectares.

"O combate ao incêndio iniciou na segunda, com a nossa equipe atuando de forma a debelar as chamas que se aproximavam das residências e da estrada. Na terça [ontem] estivemos durante todo dia [de 8h às 17h] nos focos que estavam na parte mais interna da APA. Quando a equipe saiu de lá só restavam alguns focos que estavam bem próximos da encosta da Serra. A área atingida foi de cinco hectares".

> Incêndios atingem cinco cidades cearenses e chegam próximo de casas em Iguatu e Sobral

Para controlar as chamas, os bombeiros utilizaram um tanque de 400 litros de água com uma viatura de tração que foi reabastecido diversas vezes, além de abafadores, bombas costais anti-incêndio e carros-pipa. 

Para evitar novos focos, segundo o major Mardens, foram enviados nesta quarta-feira (21), quatro agentes dos bombeiros, além de uma equipe de reforço com oito funcionários da Autarquia Municipal do Meio Ambiente (AMA) e um caminhão-pipa.

Emergência ambiental  

O Ceará decretou no dia 27 de julho este ano estado de emergência ambiental para reforço no combate aos incêndios florestais e queimadas, mais frequentes no segundo semestre do ano.

A medida vale para os meses de julho a janeiro de 2021. Foi a primeira vez na história que isso aconteceu para combate aos incêndios florestais, já que, normalmente, a medida é adotada em outras adversidades, como escassez hídrica ou inundações. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará