Ex-companheiro acusado de matar professora em praça do Crato é julgado nesta sexta-feira

Silvany Inácio de Souza de 25 anos foi assassinada enquanto acompanhava a festa da padroeira da cidade

Legenda: Um ato promovido pelo Conselho da Mulher do Crato é realizado em frente o Fórum Hermes Parahyba
Foto: Lorena Tavares/Sistema Verdes Mares

O julgamento de Elson Siebra de Deus, acusado de matar a professora Silvany Inácio de Souza, na Praça da Sé, no município do Crato em 2018, acontece na manhã desta sexta-feira (24) no auditório do Fórum Hermes Parahyba, no Bairro São Miguel, no Crato.

Silvany foi assassinada aos 25 anos com um tiro no peito enquanto acompanhava a festa da padroeira do município no dia 19 de agosto de 2018. A polícia afirmou na época que o ex-companheiro da vítima não aceitava o fim do relacionamento. Elson chegou a se esconder dentro de uma residência próximo da praça, no entanto, a polícia conseguiu entrar e prender o homem. Com ele, agentes de segurança apreenderam três armas.

> Manifestação no Crato relembra morte da professora Silvany Inácio, vítima de feminicídio em 2018 

O Conselho da Mulher do Crato organizou um protesto na frente do fórum nesta manhã. "A gente pede justiça nesse caso, e que o acusado pegue a pena máxima,  por isso, estamos aqui na porta do fórum", afirmou a vice-presidente do Conselho da Mulher, Mara Guedes.  

Homenagens

A morte da professora comoveu a cidade em 2018. Familiares e amigos realizaram ato em homenagem a Silvany, com participação de cerca de 300 pessoas.

A 'Lei Silvany', em homenagem à professora, será aplicada a partir de março. A proposta foi criada pela Câmara dos Vereadores de Crato. A ideia é levar o tema "violência familiar" no currículo regular das escolas municipais. Serão desenvolvidos trabalhos, pesquisas e ações para debater o tema com os alunos. Os professores também devem receber uma formação específica para abordar o assunto.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará