Empresas se comprometem a ampliar produção de oxigênio no Ceará, diz Aprece

O compromisso foi firmado em reunião nesta sexta-feira

oxigenio
Legenda: Situação do estoque de oxigênio hospitalar é preocupação em todo o País
Foto: Agência DN

As duas principais fornecedoras de oxigênio hospitalar no Ceará, a White Martins e a Messer Gases, fizeram acordo para ampliar a produção e facilitar a logística, a partir da próxima semana, para evitar que os estoques das redes municipais de saúde entrem em colapso. O compromisso foi firmado em reunião na manhã desta sexta-feira (12).

As informações são da Associação dos Municípios do Estado do Ceará (Aprece). Participaram do encontro o Ministério Público Estadual (MPCE), Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec), Aprece e as empresas citadas.

Segundo o presidente da Aprece, Júnior Castro, a White Martins ampliará a capacidade de produção para suprir a demanda da concorrente e reduzir o tempo do transporte do serviço. A Messer distribui o elemento químico a prestadoras do serviço no interior do Estado.

“Ficou acordada essa parceria para facilitar a logística. Ocorre que a Messer traz o oxigênio de outros estados. Mas, a partir da próxima semana, ela vai poder retirar direto do Porto do Pecém, onde fica instalada a White Martins”, explicou. 

Em nota, a White Martins informou que produz 150 mil metros cúbicos de oxigênio líquido por dia na unidade localizada no Pecém. "Parte desse volume", aponta, é utilizada na produção de oxigênio na forma gasosa para envasamento de cilindros em Fortaleza.

"Entre o início de janeiro e 11 de março, a produção de oxigênio medicinal, na forma gasosa (em cilindros), aumentou cerca de 96% em metros cúbicos, enquanto a produção de oxigênio líquido cresceu cerca de 80%", disse o comunicado.

Questionada pela reportagem se há planos de aumentar a produção, a White Martins explicou que depende de uma "infraestrutura na região para envasamento e distribuição de cilindros, que hoje suportam mais de 80% dos municípios do estado, atendidos por meio de diversos fornecedores de gases". 

Ainda segundo a empresa, a malha de atendimento formada pelas empresas fornecedoras de gases, revendedores locais e instituições de saúde está sendo revista.

A reunião teve o intuito de buscar soluções para os municípios cearenses que, atualmente, enfrentam grave problema na disponibilidade de oxigênio para pacientes com Covid-19. Na ocasião, foi instituído um grupo de trabalho para monitorar diariamente a situação nas cidades. 

De acordo com o promotor de Justiça Eneas Romero de Vasconcelos, titular do Centro de Apoio Operacional da Cidadania (CAOCidadania), ficou definido que as cidades devem se organizar e calcular o consumo estimado de modo mais preciso para identificação dos pontos críticos e, partir daí, o setor buscar alternativas para resolvê-los. 

“As três principais empresas se colocaram à disposição para dialogar e encontrar soluções para ampliar a capacidade de produção. A Fiec se colocou à disposição”, disse. “Esse grupo de trabalho vai tentar colaborar, mas a obrigação legal, no caso, é dos municípios. Já que o problema de escassez de oxigênio é exclusivamente em hospitais das redes municipais do Interior”, complementou. 

A Air Liquide Brasil, que não tem atuação no Ceará, participou somente para compartilhar a experiência dramática de Manaus.

O Diário do Nordeste pediu mais informações sobre a atuação da Fiec e aguarda retorno. 

Repostas da White Martins

Por e-mail, White Martins informou que se comprometeu a disponibilizar oxigênio líquido para que a Messer utilize este volume na produção de oxigênio medicinal gasoso e o comercialize aos seus clientes. No entanto, não ampliará a fabricação. 

“Inicialmente, é possível absorver o volume em questão, a partir da produção atual da planta da White Martins em Pecém”, disse. 

Segundo a companhia, o fornecimento para os hospitais não depende apenas da produção da planta. Seria necessária uma infraestrutura na região para envasamento e distribuição de cilindros, que hoje suportam mais de 80% dos municípios do Estado, atendidos por meio de diversos fornecedores de gases. 

“Em conjunto com as autoridades, essa malha de atendimento formada por empresas fornecedoras de gases, revendedores locais e instituições de saúde está sendo revista”, afirmou. 

A empresa garante que tem mantido contato constante com seus clientes para que "sejam comunicadas formalmente e previamente as necessidades de acréscimo no fornecimento do produto e a previsão da demanda". 

Oxigênio emprestado

O presidente da Aprece e prefeito de Chorozinho, Júnior Castro, relata que os gestores municipais já chegaram a emprestar cilindros de oxigênio para atender à população devido ao desabastecimento de insumos. 

Questionado quando houve essa necessidade, ele disse “que está acontecendo e se intensificou nas últimas semanas”. Júnior não informou quais cidades e quantas vezes a situação ocorreu, mas explica que os apelos são compartilhados em grupos de WhatsApp.

“Colocamos nos grupos quando algum prefeito está próximo do limite e quando sabemos de uma empresa que está disponível. Está tendo uma solidariedade e apoio”, afirmou. 

“Somos limitados e temos buscados soluções, mas a situação não é confortável. Temos municípios que adquiram cilindros em condições de ampliar o seu abastecimento em mais do que o dobro do pico da pandemia do ano passado, mas ainda estão tendo dificuldade. A demanda está sendo muito maior”, acrescentou.

Conforme levantamento da Aprece, 158 cidades dependem exclusivamente de cilindros de oxigênio e 21 sofreram desabastecimento em alguma unidade de saúde. Três não responderam sobre desabastecimento. Já 160 declararam não ter sofrido com falta de oxigênio. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre as regiões do Ceará