Grandes festas de fim de ano sem 70% da população imunizada são “imprudentes”, aponta Dr. Cabeto

Médico e ex-secretário da Saúde do Ceará afirma também que é cedo para falar de Carnaval, diante da imprevisibilidade da Covid

Escrito por Theyse Viana, theyse.viana@svm.com.br

Metro
Dr. Cabeto, ex-secretário da saúde do Ceará
Legenda: O médico Carlos Roberto Martins Sobrinho, Dr. Cabeto, ex-secretário da Saúde do Ceará e professor da Faculdade de Medicina da UFC
Foto: Kid Júnior

A pouco mais de um mês do réveillon, o cenário ainda é incerto quanto à realização de grandes festas no Ceará, principalmente após o governador Camilo Santana se posicionar contra. Em entrevista ao Diário do Nordeste, o ex-secretário da Saúde, Dr. Cabeto, alertou: permitir aglomerações sem, no mínimo, 70% da população imunizada é “imprudente”.

O médico e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC) esteve à frente da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) por 2 anos e sete meses, e aponta que um dos principais “aprendizados” das autoridades sanitárias foi que “quando se lida com Covid, é preciso tomar cada decisão em cada tempo”.

Ninguém está livre de aparecer uma cepa mais resistente, de rápida disseminação. Não parece ser o que está acontecendo, mas prudência é fundamental. manter o uso de máscara e evitar aglomerações é indispensável.
Dr. Cabeto
Médico e professor da UFC

Questionado sobre a segurança da possível realização de festas de Carnaval em 2022, Dr. Cabeto reforçou que a imprevisibilidade da Covid não permite adiantar conclusões. “O Carnaval vai acontecer entre fevereiro e março do ano que vem, não deve ser pautado agora”, complementa.

Além disso, Dr. Cabeto destacou que as preocupações do momento devem ser duas: a quantidade de pessoas não vacinadas e o “alto percentual de idosos que não foram tomar a dose de reforço”.

Precisamos ficar atentos à epidemia dos não vacinados. Temos que ter pelo menos 70% da população com as duas doses da vacina. Liberar tudo sem esses cuidados pode ser prejuízo, lá na frente, à economia do Estado.

O ex-secretário mencionou, ainda, reconhecer que, para estados como Rio de Janeiro, por exemplo, “que tem uma indústria do Carnaval, importante para a economia, cancelar é uma decisão difícil – mas não é o caso do Ceará”.

“Não vacinados são maioria entre internados”

Para Dr. Cabeto, manter investidas para ampliar a vacinação contra a Covid no Ceará é prioridade. Segundo ele, “alguns municípios cearenses estão com discreto aumento de casos, justamente os que estão com menor índice de vacinação”.

O médico revela que pessoas que adoecem de Covid mesmo já vacinadas são, em geral, os casos mais leves – os mais graves, que exigem internação, estão entre os mais de 30% que ainda não tomaram as duas doses do imunizante.

“Alguns países estão colocando que essa é a epidemia dos não vacinados, mas eu não acredito que o Ceará vai viver uma onda dessas. Com prudência, a gente não vai ver isso”, pontua.

Assuntos Relacionados