183 dos 184 municípios do Ceará estão com risco “altíssimo” de transmissão da Covid-19

É a maior quantidade registrada desde 31 de janeiro deste ano

Ceará
Legenda: O Ceará tem 99,45% do seu território categorizado com risco “altíssimo”, o que equivale a 183 municípios de um total de 184.
Foto: Helene Santos

O Ceará tem 99,45% do seu território categorizado com risco “altíssimo” de transmissão da Covid-19. São 183 dos 184 municípios do Estado, a maior quantidade registrada desde 31 de janeiro deste ano, com base no levantamento feito pelo Diário do Nordeste utilizando dados da plataforma IntegraSUS, da Secretaria de Saúde (Sesa). Os dados correspondem as semanas epidemiológicas 15 e 16, que vão de 11 a 24 de abril deste ano. 

Quixelô é a única cidade do Estado não enquadrada no nível mais crítico de risco para Covid-19. No entanto, ela se encontra em risco "alto", o segundo pior. O cenário ocorre em meio à flexibilização das atividades econômicas após o segundo lockdown no Ceará.

Nas semanas epidemiológicas anteriores, 13 e 14 (28 de março a 10 de abril), 176 cidades estavam no pior nível. Outras oito cidades (Paramoti, Iracema, Piquet Carneiro, Catarina, Orós, Icó, Granjeiro e Lavras da Mangabeira) eram classificadas no risco alto. Este foi o período em que o governador Camilo Santana iniciou a reabertura de parte das atividades.

Desde 31 de janeiro, apenas um município cearense esteve no nível baixo: São João do Jaguaribe, o que ocorreu nas semanas epidemiológicas 8 e 9 (21 de fevereiro a 6 de abril). Esse nível equivale ao “novo normal”. 

“O momento que estamos vivendo agora é de um platô (plano e elevado) alto de segunda onda com altas taxas de transmissão e de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Por isso, todos os cuidados são extremamente necessários para conter essa propagação do vírus”, explica Edson Teixeira, imunologista e professor do Departamento de Patologia e Medicina Legal da Universidade Federal do Ceará (UFC). 

Ele acrescenta que embora haja o movimento de reabertura autorizado pelo Governo do Estado, é praticamente obrigatório que exista uma prudência em relação a como fazer esse procedimento. Mesmo que a abertura esteja sendo realizada, a observação da incidência do vírus deve continuar sendo feita.

“Toda reabertura provoca o contato entre pessoas. Então é um momento crítico, realmente crítico para uma reabertura que, embora necessária, precisa ter prudência”, conclui.

Momento de estabilidade

Para Caroline Gurgel, epidemiologista, virologista e professora da Faculdade de Medicina da UFC, embora os números ainda sejam muito altos, ela acredita que estamos em um momento de estabilidade.

 

“É natural frente a uma doença infecciosa emergente que ela naturalmente tenha o seu pico, ela atinja um platô e posteriormente ela venha a cair de forma mais lenta”, explica.
Caroline Gurgel
Epidemiologista e virologista, professora da Faculdade de Medicina da UFC

A expectativa, segundo ela, é de quem o sistema de saúde ainda vai demorar a chegar a uma situação mais confortável, pois haverá um “sufoco”. Uma das razões apontadas é a suspensão de cirurgias eletivas, ação tomada no enfrentamento à Covid-19.

“Só com a diminuição do número de infectados por coronavírus esses casos serão atendidos. Acaba que tem aquele sufoco, porque terá agora que prestar assistência às pessoas que ficaram em espera”, finaliza.

 

Quero receber conteúdos exclusivos da cidade de Fortaleza