Suspeito de matar Henry Borel, Jairinho é flagrado recebendo lanche das mãos de diretor do presídio

O secretário Raphael Montenegro afirmou não há indícios de que houve regalias ao vereador carioca

Diretor Ricardo Larrubia da Gama entrega lanche à Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho
Legenda: A cena aconteceu no dia da prisão do político, em 8 de abril
Foto: Agência Brasil e reprodução/Extra

Imagens do circuito interno de segurança mostram o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (sem partido), recebendo no dia em que foi preso, 8 de abril, um sanduíche das mãos do diretor da unidade em que estava detido, no Presídio Frederico Marques, em Benfica, Rio de Janeiro. O político é investigado por supostamente ter matado o enteado Henry Borel, de 4 anos. 

Na gravação, conseguida pelo jornal O Globo, o diretor Ricardo Larrubia da Gama entrega à Jairinho um lanche, que segundo o secretário de Administração Penitenciária, Raphael Montenegro, era o mesmo servido  para os demais detentos no dia da filmagem. O titular afirmou não há indícios de que houve regalias ao preso. 

Montenegro disse que ainda não foi aberto nenhum procedimento para investigar as denúncias de que o vereador teve tratamento privilegiado na prisão, pois as imagens foram analisadas e nada foi constatado.  

"Qualquer pessoa que tiver acesso às imagens perceberá que, por volta da 15h30, em ambiente comum da unidade, foi entregue ao interno Jairo o mesmo “kit lanche” que se oferece a todos os internos que estejam em trânsito para audiências. De fato é o diretor quem entrega o lanche ao vereador, mas se trata do mesmo lanche que se oferece aos presos em trânsito para audiência", explicou o secretário. 

Na tarde desta quinta-feira (15), a Seap enviou as imagens para o Ministério Público do Rio (MPRJ), para que o órgão possa "analisar, formar sua própria convicção e investigar, se entender necessário", disse o secretário. 

O MPRJ confirmou ter recebido uma denúncia anônima "noticiando que Dr. Jairinho e Monique Medeiros teriam supostamente sido beneficiados com regalias irregulares na unidade". O órgão informou que "a partir das informações trazidas na denúncia e providências de verificação, não foi encontrado nenhum elemento ou indício de irregularidade na recepção dos internos".

Henry Borel
Legenda: Dr. Jairinho é suspeito de espancar a criança de 4 anos
Foto: reprodução

Regalias

O diretor Ricardo Larrubia da Gama pediu exoneração do cargo após surgir denúncias de que o casal Monique Medeiros, mãe de Henry Borel, e Dr. Jairinho tenha regalias na prisão. As informações são do O Globo

Conforme apuração do jornal, a Seap informou que a exoneração a pedido em razão do gestor “discordar das denúncias de supostos privilégios". 

As acusações sobre as irregularidades no presídio foram divulgadas na segunda-feira (12) pela atração SBT Rio. Conforme a emissora, Monique e Jairinho tiveram tratamento privilegiado na cadeia. 

Enquanto o vereador teria ficado na sala de um diretor durante o tempo em que ficou na unidade, Monique estaria em outra sala. Ambos não teriam ido para celas. Ainda segundo a emissora, o casal teria almoçado a mesma comida do diretor, e não o cardápio oferecido aos presos.

Segundo a Seap, o casal está cumprindo o procedimento de ingresso no sistema penitenciário de isolamento de 14 dias, antes de se juntarem aos demais detentos. O vereador está no Presídio Pedrolino de Oliveira, Bangu 8, onde ficam os presos da Lava-Jato. Já Monique se encontra no Presídio Ismael Pereira Sirieiro, em Niterói. 

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil