Polícia encontra câmera de monitoramento em quarto de Henry Borel durante perícia

O interesse em comprar o equipamento foi citado pela mãe do menino, Monique Medeiros, após saber das agressões

Câmera de monitoramento e Monique Medeiros
Legenda: O produto ainda estava embalado quando foi encontrado pelos investigadores
Foto: reprodução/Extra e Agência Brasil

A Polícia encontrou uma câmera de monitoramento ainda embalada no quarto de Henry Borel, de 4 anos, durante a perícia realizada no apartamento em que o menino morava com a mãe, professora Monique Medeiros, e o padastro, médico e vereador carioca Jairo Souza Santos Júnior, conhecido como Dr. Jairinho (sem partido), na cidade do Rio de Janeiro. As informações são do jornal Extra

O equipamento foi citado por Monique Medeiros, em 12 fevereiro, após receber uma videochamada em que o menino e a babá, Thayná Oliveira, narraram agressões de autoria do político. A informação foi revelada durante o depoimento à Polícia da profissional de beleza que atendeu a professora na data.

Câmera de monitoramento encontrada em quarto de Henry Borel pela Polícia
Legenda: Entre as funcionalidades do equipamento está a visão panorâmica de 360°, além de parecer com uma lâmpada
Foto: reprodução/Extra

Conforme as declarações da cabeleireira, Monique estava no salão de beleza para lavagem, hidratação e escovação do cabelo, além de manutenção de unhas de acrigel e embelezamento de pés e mãos. Durante o atendimento, ela fez a ligação para Henry, em que ele perguntou: "mamãe, eu te atrapalho?” e dito em seguida: “mamãe, o tio disse que eu te atrapalho”.

Monique, segundo a profissional, teria respondido que a criança não a atrapalhava de forma alguma. Em seguida, Henry, teria dito: "Mamãe, vem pra casa" com um "choro manhoso", incluindo que "o tio bateu" ou "o tio brigou" em seguida — a cabeleireira disse não se lembrar da frase exata.

Após a conversa com o garoto, a professora teria telefonado para Jairinho. Na ligação, ela teria iniciado dizendo: "Você nunca mais fale que meu filho me atrapalha, porque ele não me atrapalha em nada" em volume alto. 

Após o término da conversa com o político, a mãe de Henry teria perguntado à cabeleireira se havia algum lugar no shopping que vendesse câmeras, sendo informada sobre uma loja de eletrodomésticos na sequência.

Monique, então, teria apressado a profissional para que secasse rapidamente sua franja, pois "precisava ir embora", tendo saído "apressada" após pagar os serviços na recepção. Segundo o portal G1, a professora teria demorado três horas para retornar a residência no dia.

MORTE DE HENRY BOREL

Henry Borel morreu na madrugada de 8 de março, no apartamento em que vivia com Monique e Dr. Jairinho, na Barra da Tijuca. Segundo as investigações, ele era agredido pelo vereador com bandas, chutes e pancadas na cabeça. Monique tinha conhecimento da violência desde o dia 12 de fevereiro, pelo menos. 

Henry Borel
Legenda: Os laudos de necropsia atestam que Henry sofreu hemorragia interna e laceração hepática, provocada por ação contundente
Foto: reprodução

Henry foi levado pela mãe e pelo padrasto ao hospital Barra D'Or na madrugada de 8 de março e já chegou à unidade sem vida.

O laudo hospitalar sobre o corpo concluiu que a criança apresentava as seguintes condições:  

  • múltiplos hematomas no abdômen e nos membros superiores; 
  • infiltração hemorrágica na região frontal do crânio, na região parietal direita e occipital, ou seja, na parte da frente, lateral e posterior da cabeça; 
  • edemas no encéfalo; 
  • grande quantidade de sangue no abdome; 
  • contusão no rim à direita; 
  • trauma com contusão pulmonar; 
  • laceração hepática (no fígado); 
  • e hemorragia retroperitoneal.

Os investigadores afirmam que Henry foi assassinado com emprego de tortura e sem chance de defesa. O inquérito aponta que a criança chegou à casa da mãe por volta de 19h20 de 7 de março, um domingo, após passar o fim de semana com o pai. 

Monique e Jairinho foram presos no dia 8 de abril no Rio de Janeiro. Eles devem ser indiciados pela polícia por homicídio duplamente qualificado. O casal foi detido por policiais da 16ª DP, da Barra da Tijuca, após a juíza Elizabeth Louro Machado, do II Tribunal do Júri da Capital, expedir mandados de prisão temporária por 30 dias.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o Brasil