Vice-presidente dos EUA se recusa a invocar 25ª emenda para remover Trump

A regra constitucional estabelece que o presidente pode ser removido sob a justificativa de incapacidade

Mike Pence
Legenda: "Peço a você [Pelosi] e a todos os membros do Congresso que evitem ações que possam dividir e inflamar ainda mais as paixões do momento", declarou Mike Pence.
Foto: Brendan Smialowski / AFP

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse em uma carta enviada nesta terça-feira (12) à presidente da Câmara dos Deputados, a democrata Nancy Pelosi, que não vai invocar a 25ª emenda para remover Donald Trump do cargo.

"Não acredito que tal curso de ação seja no melhor interesse de nossa nação ou seja consistente com nossa Constituição", afirmou o republicano, que assumiria a Presidência de modo interino se tivesse acionado a medida.

"Peço a você [Pelosi] e a todos os membros do Congresso que evitem ações que possam dividir e inflamar ainda mais as paixões do momento", prosseguiu o vice-presidente dos EUA.

A carta foi divulgada enquanto a Câmara votava uma resolução para pedir ao vice que acionasse a emenda – a 25ª é uma regra constitucional segundo a qual o presidente pode ser removido sob a justificativa de incapacidade.

A decisão sobre acionar o dispositivo, no entanto, cabia apenas ao vice-presidente e aos secretários (equivalentes a ministros) de Trump.

Nunca na história americana um vice-presidente usou a emenda para afastar o titular do cargo – o mecanismo já foi usado algumas vezes com consentimento do próprio presidente, em geral, quando ele tinha uma cirurgia programada, por exemplo.

Com a recusa de Pence, o próximo passo é a votação na Câmara do processo de impeachment apresentado pelos democratas na segunda-feira (11). Ele se apoia no discurso e na postura do presidente, que insuflou manifestantes a invadirem o Congresso na semana passada.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre o mundo