Prefeito de Catarina é investigado pela PF por compra de votos nas eleições de 2020

De acordo com o inquérito policial, provas indicam que benefícios sociais, cheques, empregos, além de dinheiro, foram oferecidos em troca do sufrágio dos eleitores

Escrito por Redação,

Segurança
Esta é a imagem do prefeito do município de catarina Thiago Paes de Andrade sentado em uma mesa sorrindo
Legenda: Além do gestor municipal, o irmão dele e outros dois servidores da prefeitura são investigados na Operação Tantos da PF
Foto: reprodução/Instagram

O prefeito do município de Catarina, Thiago Paes de Andrade (MDB), é um dos alvos da Polícia Federal na Operação Tantos, que apura supostos crimes eleitorais cometidos durante as eleições municipais de 2020. Além do gestor, o irmão dele e mais dois servidores da prefeitura são investigados na ação policial, conforme revelou o delegado Regional de Combate ao Crime Organizado (DRCOR) da PF no Ceará, Alan Robson Alexandrino, ao Diário do Nordeste nesta sexta-feira (29). 

De acordo com o inquérito policial, que está em curso na Delegacia de Polícia Federal em Juazeiro do Norte, provas indicam que benefícios sociais, cheques, empregos, além de dinheiro, eram oferecidos em troca do sufrágio dos eleitores.  

Na manhã desta sexta-feira (25), policias federais cumpriram nove mandados de busca e apreensão, sendo seis deles em Catarina e três em Fortaleza. Nos endereços, os agentes apreenderam computadores, celulares e documentos. Na Capital, as ordens expedidas pela Justiça Eleitoral foram cumpridas nos bairros Cocó e José Bonifácio. Ninguém foi preso.    

O prefeito de Catarina, Thiago Paes de Andrade, foi procurando pela reportagem, mas até a publicação desta matéria, ainda não tinha se manifestado.  

A pena para o delito de compra de votos é de um a quatro anos de reclusão. Segundo a Polícia, o nome da operação remete ao termo utilizado por um dos investigados, que prometia “tantos mil” em troca de votos.