Motorista de aplicativo foi assassinado após testemunhar execução de casal em 'tribunal do crime'

Homem também teria sido 'julgado', mas foi 'absolvido'. Porém, dias depois, ele foi morto a tiros

Escrito por Redação,

Segurança
Legenda: Crime aconteceu na Avenida Ministro Albuquerque, em Fortaleza
Foto: Brenda Albuquerque

O motorista de transporte por aplicativo Ozimar Almeida de Araújo, de 34 anos, foi assassinado no bairro Conjunto Ceará, em Fortaleza, no dia 22 de setembro deste ano, após testemunhar a execução do casal que estava desaparecido desde o dia 11 daquele mês, em um 'tribunal do crime' de uma organização criminosa.

A Polícia Civil do Ceará (PCCE) divulgou, nesta quarta-feira (4), que Sheldon Luiz de Castro Ângelo e Leidiane de Sousa Vieira foram 'julgados', assassinados e enterrados em um terreno baldio em Aquiraz, Região Metropolitana de Fortaleza (RMF). A motivação seria o fato de Sheldon, envolvido com a quadrilha, ter perdido um carregamento de droga.

Ozimar também seria integrante do bando e teria ligação com a perda dos entorpecentes. Ele também foi levado para o 'tribunal' e 'absolvido'. Dias depois, ele compareceu à Delegacia Metropolitana do Eusébio para relatar o duplo homicídio e apontar a possível localização dos corpos.

O motorista de aplicativo foi mais de uma vez à delegacia. Dias depois, a Polícia Civil recebeu a informação que ele foi assassinado a tiros por homens encapuzados, em uma lanchonete, no Conjunto Ceará. O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).