Irmãos deram apoio para grupo praticar chacina de Ibaretama

De acordo com a investigação da Polícia Civil, os irmãos Victor Azevedo Lima, 20, e Kelvin Azevedo Lima, 26, "tiveram participação essencial", como apontamento dos alvos e suporte para os criminosos

crime
Legenda: O crime ocorreu em uma casa na zona rural do município de Ibaretama, no último dia 26, por volta de 3 horas
Foto: Leábem Monteiro

Os irmãos Francisco Victor Azevedo Lima, 20, e Kelvin Azevedo Lima, 26, deram apoio logístico ao grupo criminoso que atuou diretamente na chacina de Ibaretama e deixou sete mortos no último dia 26 de novembro. A Polícia Civil busca outros integrantes da facção e o mandante da matança. Victor e Kelvin tiveram as prisões em flagrante convertidas em preventivas por determinação do Juízo da 1ª Vara da Comarca de Quixadá.

No bojo da apuração, ainda no dia das prisões dos irmãos, a Polícia Civil apreendeu um roteador de internet e descobriu que o aparelho era utilizado na casa de Kelvin. Em documento que consta do inquérito, o qual a reportagem teve acesso, o delegado afirma que o suspeito Kelvin Azevedo permitiu o acesso ao seu próprio celular e, em razão do material observado, "ficou claro que eles (os irmãos Kelvin e Victor Azevedo) tinham participação com o crime investigado, notadamente, com o suporte aos criminosos na execução do crime".

Segundo a investigação, Kelvin manteve contato desde a noite anterior ao crime com um homem identificado como Wanderson Delfino de Queiroz, o 'Interior', enquanto o irmão Victor deu "alimentação aos criminosos". De acordo com o inquérito, Kelvin chegou a confessar que foi até a rodovia CE-060 para buscar dois comparsas de 'Interior', que vinham de Fortaleza, na noite anterior ao crime e não conheciam a cidade.

Conforme as apurações, 'Interior' usou a casa de Victor como base após a chacina. Na residência, eles teriam sido alimentados por Francisco Victor e utilizaram a rede de internet da casa.

Os irmãos ainda teriam mantido contato com 'Interior' mesmo após o crime, inclusive com Kelvin solicitando ao irmão que fosse "deixar água e comida para os assassinos antes e depois do crime. Segundo a investigação, Kelvin disse que o líder do grupo usou sua casa para carregar celulares, captar sinais de Wi-fi e pegar a alimentação.

No inquérito, o delegado ressalta que "os irmãos Kelvin e Francisco Victor tiveram participação essencial na chacina, o apontamento dos alvos e o suporte para os criminosos conseguirem fugir do local sem serem capturados foi todo orquestrado por eles". Os dois suspeitos presos ficaram em silêncio durante os depoimentos na Polícia.

Facções

Wanderson Delfino, o 'Interior', é apontado pela Polícia Civil como um dos executores das sete pessoas na zona rural de Ibaretama. Ele seria vinculado à facção Comando Vermelho, e já teria sido da Guardiões do Estado (GDE), mas abandonou o grupo. Segundo as investigações, a chacina foi motivada por disputas territoriais entre CV e GDE.

A chacina de Ibaretama ocorreu no dia 26 de novembro e deixou sete mortos, incluindo duas pessoas da mesma família: uma criança de sete anos de idade e o seu tio. O crime ocorreu em uma casa na zona rural do Município.

Por volta de 3h, os suspeitos chegaram à residência se apresentando como policiais para que abrissem a porta. Logo em seguida, eles ordenaram que as vítimas se ajoelhassem e começaram a matança. Após atirar em várias pessoas, um dos homens alerta para 'Interior', que eles haviam baleado uma criança.

Quero receber conteúdos exclusivos sobre segurança