Quatro dias após se afogar em enchente, idosa morre em Hidrolândia

Ela foi uma das seis vítimas que se afogaram após a cheia do Rio Batoque, na última quarta-feira (25).

Legenda: Dona Mocinha foi uma das seis pessoas que se afogaram com a cheia do Rio Batoque
Foto: Foto: VcRepórter

Uma senhora de 80 anos, que se afogou na última quarta-feira (25), durante a enchente do Rio Batoque, em Hidrolândia, a 251 km de Fortaleza, faleceu ontem (29), após ficar quatro dias internada. Identificada até agora apenas “Dona Mocinha”, a idosa "ingeriu muita água", segundo o  secretário de Saúde de Hidrolândia, Iris Mororóe, e apresentou um quadro de pneumonia por aspiração. Seu corpo foi enterrado na manhã desta segunda-feira (30).

De acordo com a família, a senhora tinha a saúde debilitada e apresentava problemas de locomoção. Por isso, utilizava cadeira de rodas. No dia da enchente que deixou mais 500 famílias desabrigadas, Dona Mocinha teve dificuldade de ser resgatada. Após se afogar, ela foi levada ao Hospital Maternidade Luiz Gonzaga da Fonseca Mota, mas não resistiu à pneumonia. 

Ainda segundo Iris Mororó, outras cinco pessoas também se afogaram após a enchente do Rio Batoque. Um homem, em estado grave, foi levado à Santa Casa de Sobral, mas já recebeu alta, assim como as outras quatro vítimas. 

Tragédia

A enchente também deixou, pelo menos, 500 famílias ficaram desabrigadas e 14 casas foram destruídas, segundo a Defesa Civil do município. Cerca de 100 famílias estão alojadas na Escola Olcino Pereira de Sousa. Os bairros Progresso e Vilas Freitas foram os mais afetados pela cheia do rio Batoque. 

 

O Corpo de Bombeiros, após sobrevoar o município, identificou que o rompimento de sete reservatórios na zona rural ocasionou a enchente. Conforme relatório da Secretaria de Ação Social de Hidrolândia, as barragens Valdemir, Orlando, Jardel, Gerardo Bastos, Olho D'água, Ipueiras e Pedro Peres não suportaram o volume da água e cederam após uma chuva de 53 milímetros.  


Categorias Relacionadas